Jesus elogia Acuña e quer mais de Fábio Coentrão

Treinador explicou que o argentino foi escolhido por ser um jogador de equipa e mostrou-se satisfeito com o rendimento dos leões frente ao Mónaco

Jorge Jesus elogiou ontem a estreia do argentino Marcos Acuña, extremo recentemente contratado ao Racing Avellaneda por 9,6 milhões de euros. "É um jogador forte na bola parada e muito competitivo", começou por destacar o treinador do Sporting à Sport TV, considerando-o como "um jogador mais de equipa do que criativo, apesar de ser forte no um para um". O técnico explicou depois que indicou a sua contratação por se tratar de um atleta "muito forte taticamente". "Foi para a equipa que olhei, vi que era uma componente forte nele, pois trabalha muito para a equipa", assumiu, garantindo que "esteve bem, naquele que foi praticamente o seu primeiro treino".

Um dos jogadores que Jesus admite esperar mais do que aquilo que está a render neste momento é Fábio Coentrão, que diz estar "com dificuldades": "De todos é aquele que fisicamente ainda está à procura da melhor forma. Na realidade, ele ainda nem chegou a metade da sua qualidade! Todos os outros estão num patamar bom." Outra exceção é Doumbia que, em sua opinião, "ainda está um pouco fora dela". Quanto a elogios, admitiu ter gostado da dupla Bas Dost e Daniel Podence ("combinam muito bem"), que beneficiaram da entrada de Gelson Martins que permitiu à equipa "ganhar velocidade, algo que não vinha tendo".

Numa breve análise ao que tem sido a pré-temporada, Jesus classificou-a de "muito desgastante". "Neste jogo com o Mónaco já tivemos a possibilidade de trabalhar mais durante a semana, houve tempo para pôr a equipa melhor do ponto de vista técnico e tático para descarregar um pouco da fadiga muscular", adiantou, considerando que a equipa esteve "mais solta, mais compacta". Isto frente a uma equipa que tem jogadores como o Falcão e Mbappé "difíceis de marcar", destacando por isso o trabalho defensivo: "O Coates e o Mathieu estiveram muito bem. Aliás, defensivamente estivemos muito bem. Sofremos um golo que nasce mais de uma situação individual do que defeito coletivo..." Ainda assim, admite que a equipa "quebrou com as substituições", algo que se ficou a dever "à entrada de jogadores sem ritmo, como o Adrien, William e até o próprio Iuri Medeiros".

"Acho que foi um jogo do qual tirámos proveito. Os adeptos participaram neste treino, gostaram do desempenho da equipa, para além do resultado. Para nós não é importante, mas ganhar, depois de três jogos sem o fazer, é bom emocionalmente mais para os adeptos, mas menos para nós. Tirámos deste jogo conteúdo positivo", sublinhou Jesus.

Coentrão pensa no título

Por sua vez, Fábio Coentrão destacou "a qualidade" do Sporting, considerando que ontem "as pernas já estiveram mais frescas", admitindo que quer "mostrar mais" do que fez nos últimos anos. "Quero ajudar o Sporting a ser campeão. Darei a minha vida por esta camisola, para que no final desta época sejamos campeões, que é o grande objetivo do Sporting, que anda atrás do título há 17 anos", assumiu.

Sobre a troca do Real Madrid por Alvalade, o lateral disse que se tratou de uma decisão "muito fácil" e explicou porquê: "Escolhi o Sporting porque acho que é o melhor para a minha carreira. Foi uma oportunidade que não tive quando fui para o Benfica. Felizmente, o presidente deu-me agora essa oportunidade e nem olhei para trás. Neste clube tenho a certeza que serei feliz"

Mais Notícias

Outras Notícias GMG