Dortmund, o jogo que vale bem mais do que 1,5 milhões

Sporting obrigado a vencer na visita ao Borussia para lutar pelos oitavos, o objetivo que paga(va) todas as contratações

A presença na Liga dos Campeões vale milhões e uma boa campanha rende muitos mais (já se sabia e os números dos bónus distribuidos na época passada pela UEFA, ontem divulgados, vêm comprová-lo). Por isso, o Sporting decide hoje, na visita ao Borussia Dortmund (19.45, Sport TV1), mais do que o futuro na prova: está em jogo a hipótese de amealhar receitas suficientes para pagar todo o investimento feito no último mercado (a passagem aos oitavos-de-final acabaria de saldar esses 28 milhões de euros gastos em reforços) ou ficar de mãos a abanar, dependente dos prémios (bem menos generosos) da Liga Europa.

As contas são fáceis de fazer: o jogo de Dortmund vale bem mais do que os 1,5 milhões de euros que são entregues ao vencedor de cada partida da fase de grupos da "liga milionária". Com quatro pontos de atraso para o rival alemão e o Real Madrid, o Sporting está obrigado a ganhar para manter a ambição de apuramento para os oitavos-de-final do torneio (o empate deixaria os leões apenas com chances remotas, depois de terem perdido em casa com a equipa germânica). A qualificação seria a diferença entre chegar a dezembro com todos os reforços pagos (após um defeso de forte investimento) ou "apenas" com um bom encaixe financeiro.

Até aqui, o clube verde e branco já assegurou 12,7 milhões de euros pela presença na fase de grupos e 1,5 milhões pelo triunfo sobre o Legia Varsóvia. E tem garantido um valor variável de market pool, respeitante a direitos televisivos, que deverá ser superior a quatro milhões de euros [em 2014/15, foi 3,4 mas desde então o bolo total distribuído pela UEFA tem aumentado]. Mais seis ou sete pontos na fase de grupos, contando com Dortmund e as jornadas seguintes (3 a 3,5 milhões), o consequente apuramento para os oitavos-de-final (prémio de seis milhões) e o acréscimento de receita de market pool que é oferecido a quem progride na prova (centenas de milhares de euros) seriam suficientes para atingir um encaixe mínimo de 28 milhões de euros, o total gasto em reforços no início de 2016/17.

São esses milhões que andam à roda em Dortmund - com a certeza de que, em caso de eliminação da Champions, só uma caminhada até à final da Liga Europa permite um encaixe financeiro semelhante (7,35 a 10,35 mihões mais market pool). Sporting e FC Porto - que, após um defeso em que não fez qualquer venda milionária, também é obrigado a fazer contas na receção ao Brugge - sabem-no bem. Afinal, na época passada, ambos amealharam muito menos milhões da UEFA do que o Benfica, em virtude de terem falhado na "liga milionária".

Após serem eliminados no play-off da Liga dos Campeões e seguirem até aos 16avos-de-final da Liga, os leões acumularam 9,5 mihões de euros (3,9 da primeira e 5,6 da segunda competição). Os dragões somaram 22,8 milhões (apenas 590 mil da Liga Europa, após caírem na fase de grupos da Champions). E as águias, que voaram até aos quartos-de-final da "liga milionária", embolsaram 36,2 milhões.

Ora, apesar do caráter decisivo, do ponto de vista desportivo e financeiro, do jogo de Dortmund, o treinador do Sporting, Jorge Jesus, diz que a hoje a equipa sentirá uma "pressão menor". "Todos reconhecem que é um jogo muito difícil, que o Borussia é da elite da Champions e que vamos ter dificuldades para equilibrar este jogo", afirmou ontem o técnico, na antevisão da partida.

No entanto, Jesus garante que não está "resignado" com esta posição subalterna."Nada disso. Os jogadores do Sporting sabem que têm a possibilidade de conseguir um resultado que nos mantenha com hipóteses de apuramento, mas não vou branquear o valor do Borussia Dortmund", explicou o técnico. Certo é que a partida marcará o regresso de Adrien, após de um mês de paragem, por lesão. "Vai ser lançado. Se será no princípio ou no meio do jogo, ainda não sei", afirmou Jesus.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG