Álvaro Sobrinho: "Vamos fazer tudo para que os jogadores queiram continuar"

Empresário luso-angolano que preside à Holdimo, a empresa maior acionista privada da SAD do Sporting - detém 29,8% do capital da sociedade leonina -, diz nesta entrevista ao DN que Bruno de Carvalho tem de deixar de ser líder da SAD do Sporting na sequência dos últimos acontecimentos.

Álvaro Sobrinho disse não consegue ainda quantificar os danos causados por toda esta turbulência dos últimos dias, com ataques a jogadores e técnicos e suspeitas de viciação de resultados, mas acredita que os jogadores da equipa de futebol não vão aproveitar este momento para avançarem para rescisões alegando justa causa para quebrar os contratos com o Sporting

Vai oficializar o pedido de demissão de Bruno de Carvalho do cargo de presidente da SAD do Sporting?

A ideia é um bocado essa. Vamos esperar - estou no estrangeiro - para ver o que acontece depois de a direção do clube reunir. As pessoas que estão demissionárias são do clube e eu respondo pela SAD. A SAD tem um acionista que tem uma percentagem muito qualificada, que é a Holdimo, mas o Sporting Clube de Portugal é o maior acionista da SAD. Mesmo que demitam o presidente do clube, não quer dizer que seja demitido direta e imediatamente da SAD.

E se o presidente da SAD não colocar o lugar à disposição?

A nossa posição é fazer um pedido para a convocação de uma assembleia geral para o destituir. Isso é muito claro para nós, não tenha dúvidas.

A mesa da assembleia geral da SAD ainda não tomou qualquer iniciativa de se demitir...

É aí que a Holdimo tem de intervir. Os jogadores não são ativos do Sporting Clube de Portugal. Os jogadores são ativos da SAD do Sporting, tal como o treinador e o próprio estádio. Há uma grande confusão em relação a esta matéria. Quando o presidente da direção da SAD toma alguma iniciativa de se demitir, é na SAD que o assunto tem de se resolver. Confundem-se muito as coisas, porque geralmente os clubes têm uma percentagem de quase 100% de todas as SAD. Mas não é o caso do Sporting, que tem um acionista como a Holdimo que tem uma palavra a dizer em relação a este tipo de gestão danosa que está a ser feita.

A solução passa pela saída de Bruno de Carvalho ou já se criou um dano tal que pode já não haver retorno?

O dano está feito, o que temos de fazer é tentar recuperar ou melhorar aquilo que foi mal feito. Nunca podemos pensar é que a SAD irá desaparecer, por amor de Deus! Portanto a SAD tem de ter nova gestão e os seus ativos, que são excelentes, têm de ser valorizados. E para bem até do desporto em Portugal, o Sporting tem de continuar a ser um clube forte. Nesta perspetiva, há todas as condições para voltar à normalidade. Vai demorar tempo, obviamente, porque o dano é grande, mas estamos aqui para colocar as coisas na sua normalidade.

O que acontece se os jogadores começarem a rescindir os contratos?

Acredito que a Holdimo fez tudo desde a primeira hora para que isso não aconteça. Tenho fé que não vai acontecer. Obviamente os jogadores são seres humanos e precisam de suporte, e a Holdimo sempre esteve com eles e com a equipa técnica. Da nossa parte vamos fazer tudo para que eles se sintam bem e voltem a sentir suporte para continuar.

Pode quantificar o dano causado à Holdimo, que já foi credora e é investidora da Sporting SAD...

Os valores são elevados, mas não tenho presente de quanto estamos a falar no seu todo. Mas o relevante agora não é saber quanto a Holdimo investiu ou perdeu, mas sim preservar no curto e no médio prazo o património que existe de um clube centenário. Estamos a falar, neste caso, de emoção e por outro lado de uma empresa, que tem de ser preservada para fazermos dela uma empresa grande. É uma empresa cotada em bolsa e todos os acionistas têm interesse em que tudo volte à normalidade, pois não queremos perder de maneira nenhuma a marca Sporting. Temos jogadores e ativos de grande valia, que são provavelmente os melhores profissionais que Portugal tem em termos de futebol. Por isso iremos fazer tudo para que a Sporting SAD e os jogadores possam, de facto, como uma empresa organizada, estar com a cabeça mais fria para ajudar a resolver um problema que foi criado principalmente pelo presidente da direção da SAD.

O que o levou a investir no Sporting?

O meu bisavô Carlos Ferreira Magdaleno foi fundador do Sporting e eu sou sportinguista. Quando o Sporting atravessou um momento difícil eu ajudei imenso o clube, não para participar no capital, mas em créditos que foram feitos. E depois o Sporting não tinha dinheiro para pagar e teve de ser convertido em capital.

Também por isso, sente-se traído face aos últimos acontecimentos?

Sinto-me muito triste. A palavra traído não é a melhor, porque de facto em toda a história do Sporting e dos grandes clubes portugueses nunca houve nada parecido com o que está a acontecer. Estou no estrangeiro e isto é notícia aqui. É uma vergonha. Parece um filme, é mau demais para ser verdade.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG