Ricardo Carvalho. Quando a experiência faz toda a diferença

Aos 38 anos continua, como diz, a lutar contra a idade e a ser peça importante; quer no Mónaco quer na seleção nacional.

Longe vão os tempos em que Ricardo Alberto Silveira de Carvalho deu os primeiros passos no futebol no clube da terra onde nasceu, Amarante. Ali cumpriu a primeira etapa na sua formação, que dividia os estudos. Aos 15 anos, o seu talento natural chamou a atenção dos olheiros do FC Porto que o recrutaram para as suas camadas jovens. Para trás deixava os pais e o irmão mais velho, para viver sozinho numa cidade grande, mas sempre que tinha uma folga apanhava o autocarro e fazia o caminho de regresso a Amarante para estar com a família.

As características principais de um central são a concentração e a serenidade. Quando o central falha... prejudica-se a equipa.

Desde pequeno se notabilizou por ser um rapaz calmo, que preferia estar em casa, a ver filmes, resistindo assim a todas as tentações que se colocavam a um jovem que estava a dar os primeiros passos no futebol. A entrada na equipa principal do FC Porto não foi fácil. Na primeira temporada de sénior (1997/98) foi emprestado ao Leça, que estava então na I Liga, e as coisas não podiam ter corrido melhor, uma vez que agarrou um lugar no onze de uma equipa que ficou a meio da tabela... mas acabou por ser despromovida na secretaria.

Na época seguinte, voltou ao FC Porto pela mão de Fernando Santos, atual selecionador nacional. Contudo, à sua frente estavam Jorge Costa e Aloísio, o seu ídolo. Eram dois indiscutíveis do onze dos dragões, razão pela qual apenas fez um jogo durante esse ano. Por isso, pediu ao treinador para voltar a ser emprestado, pois sentia que precisava de jogar. Nos dois anos seguintes passou pelo V. Setúbal e pelo Alverca, confirmando com o passar do tempo ser um jogador de alta qualidade. O regresso às Antas deu-se pela porta grande aos 24 anos, tendo aproveitado da melhor forma a saída de Aloísio e a época irregular de Jorge Costa, fixando-se como titular ao lado de Jorge Andrade, primeiro com Octávio Machado e depois com José Mourinho, treinador com quem viveu os melhores momentos da carreira.

Tenho algumas dúvidas se continuarei no futebol depois de deixar de jogar. Não sei o que vou fazer. Gosto de marcado financeiro, de economia, mas não tenho curso... Gosto de futebol, mas não serei seguramente treinador, talvez um terceiro adjunto.

Em 2002/03 e 2003/04 tornou-se numa das referências do FC Porto de Mourinho, ajudando à conquista da Taça UEFA, da Liga dos Campeões e de dois campeonatos nacionais. Pelo meio, estreou-se na seleção pela mão de Luiz Felipe Scolari, com quem chegou à final do Euro 2004 perdido para a Grécia no Estádio da Luz. Após esse jogo de desilusão, assinou contrato com o Chelsea, acompanhando José Mourinho nessa aventura inglesa. Em Londres esteve seis temporadas, três das quais com o técnico português, onde conquistou mais títulos e confirmou o estatuto de um dos melhores defesas-centrais do mundo.

Em 2010, após o Mundial da África do Sul, foi convidado para se voltar a juntar a José Mourinho, agora no Real Madrid. Apesar de já ter 33 anos, Ricardo Carvalho mantinha todas as suas qualidades intactas, pelo que no Santiago Bernabéu voltou a exibir-se ao mais alto nível. Contudo, em agosto de 2011, entrou em desgraça na seleção nacional após um desentendimento com o selecionador Paulo Bento, que fez Ricardo Carvalho abandonar o estágio da seleção nacional. A partir daí, foi riscado pelo treinador nacional, que não o levou ao Euro 2012 e ao Mundial 2014.

Foi já com Fernando Santos no comando da equipa das quinas que Ricardo Carvalho voltou à seleção, onde volta a ser uma peça importante graças à sua experiência, que acaba por fazer muita diferença num jogador que já não tem a velocidade de outros tempos. Desde 2013/14 representa o Mónaco, sendo um dos imprescindíveis para outro treinador português, Leonardo Jardim. Aos 37 anos, o defesa-central deverá participar na sua última competição internacional no Europeu de França, isto apesar de dizer que continua a lutar contra a idade...

BI

Data de nascimento: 18/5/1978 (38 anos)

Naturalidade: Amarante

Altura: 1,82 m

Peso: 74 kg

Clube atual: Mónaco (França)

Clubes de formação: Amarante e FC Porto

Clubes representados: Leça, V. Setúbal, Alverca, FC Porto, Chelsea, Real Madrid, Mónaco

Títulos: Liga dos Campeões (2003/04), Taça UEFA (2002/03), Liga portuguesa (1998/99, 2002/03 e 2003/04), Taça de Portugal (2002/03), Supertaça portuguesa (1998, 2003 e 2004), Liga inglesa (2004/05, 2005/06 e 2009/10), Taça de Inglaterra (2006/07, 2008/09 e 2009/10), Supertaça inglesa (2005 e 2009), Taça da Liga inglesa (2004/05 e 2006/07), Liga espanhola (2011/12), Taça do Rei de Espanha (2010/11) e Supertaça de Espanha (2012).

CARREIRA NA SELEÇÃO

Estreia: 11/10/2003, Portugal-Albânia (5-3)

Internacionalizações: 83

Golos: 5

FASE DE QUALIFICAÇÃO

Jogos: 6

Minutos: 455

Golos: 1

NÚMEROS

2 golos marcados esta época pelo Mónaco

8 clubes representados

14 jogos realizados na seleção de sub-21

22 troféus/títulos conquistados enquanto sénior

24 golos marcados como jogador sénior

83 jogos pela seleção nacional A

688 jogos realizados como jogador sénior

3833 minutos jogados esta época no Mónaco

8 000 000 de euros foi o valor da transferência do Chelsea para o Real Madrid em 2010

30 000 000 de euros foi o valor da transferência do FC Porto para o Chelsea em 2004

Mais Notícias

Outras Notícias GMG