Defesa de trintões dá garantia de experiência para o Euro

O eixo central da defesa tem uma média de 34 anos. Paulo Madeira diz que pode ser um "fator crucial" para uma boa fase final

A seleção nacional apresenta um eixo central da defesa com muita experiência. Os quatro jogadores convocados para os particulares com a Bulgária e a Bélgica têm todos mais de 32 anos, perfazendo uma média de idades de 34 anos. Ao que tudo indica, Ricardo Carvalho (37), Bruno Alves (34), Pepe (33) e José Fonte (32) vão mesmo ser os eleitos para a fase final do Euro 2016, que se realiza em França.

Paulo Madeira, antigo defesa--central da equipa das quinas, não está preocupado com a idade dos jogadores escolhidos pelo selecionador Fernando Santos e até considera uma vantagem para o Campeonato da Europa. "Todos eles estão a jogar em grandes clubes e a experiência é um fator que normalmente é crucial para ter um bom desempenho numa fase final. Aliás, qualquer deles está habituado a grandes competições", disse ao DN o antigo jogador, de 45 anos.

Além do mais, assume que os quatro centrais agora selecionados serão "importantes para os mais jovens" da equipa das quinas, pois "é essa mescla de idades que faz que haja uma continuidade na seleção nacional". Olhando para o futuro, Paulo Madeira acredita que estão na calha novos centrais que podem render os atuais trintões com a mesma qualidade. "O Paulo Oliveira, antes da lesão, estava a ser uma agradável surpresa e pode muito bem ser o futuro da seleção, tal como Tiago Ilori, apesar de nos últimos tempos ter oscilado um pouco em face da escassa utilização, mas considero que está numa fase de crescimento que pode ser determinante na sua evolução", resumiu, deixando a certeza de que "não haverá problemas no futuro da seleção" no que diz respeito a defesas-centrais.

Os sonhos de José Fonte e Rafa

O mais novo dos centrais às ordens de Fernando Santos é José Fonte, que ontem prometeu "trabalhar no limite" para fazer parte das escolhas finais para o Euro 2016. "Qualquer jogador tem aspirações em poder estar no Europeu, mas para isso estar a um bom nível no clube e fazer o melhor possível", sublinhou o capitão do Southampton, oito vezes internacional por Portugal, assumindo ter "o sonho de ganhar o Euro".

Fonte destacou ainda o "muito bom" ambiente que se vive na seleção nacional. "Temos uma relação incrível", algo que considera muito importante para a fase final, pois "vão ser muitos dias juntos depois uma época longa em que há muita fadiga". De qualquer forma, o central considera que "a própria competição vai motivar" os jogadores que estarão em França e acredita ainda que Fernando Santos irá "encontrar algumas soluções para todos estarem ainda mais focados" no Europeu.
Já no que diz respeito aos adversários da fase de grupos do Euro 2016 - Islândia, Áustria e Hungria -, José Fonte admitiu que só falou sobre elas com o seu companheiro de equipa Cédric Soares, também presente no estágio da seleção. "Este é apenas o primeiro dia juntos, tudo a seu tempo, agora temos de nos concentrar nestes jogos particulares. Por isso, com calma, vamos esperar que Portugal passe aos oitavos-de-final", resumiu.

Mais novo, mas já com uma presença no Mundial 2014, embora não tenha sido utilizado, é Rafa Silva. O extremo do Sporting de Braga, de 22 anos, contabiliza cinco internacionalizações mas garante que não está obcecado pela presença no Euro 2016. "Trabalho para lá estar e neste momento só penso nos dois jogos particulares que temos e em fazer o melhor possível", começou por dizer Rafa Silva, considerando que a sua chamada é "o prémio pelo bom trabalho" que tem feito sob o comando do treinador Paulo Fonseca, em Braga.

Entretanto, Anthony Lopes e Ricardo Carvalho só ontem à tarde se apresentaram no estágio da seleção, tendo falhado o primeiro treino, realizado de manhã. O atraso ficou a dever-se à falha dos voos de ligação por causa da greve dos controladores aéreos de França.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG