Robinho com mandado de detenção internacional e pedido de extradição

Em janeiro, o antigo avançado foi condenado a nove anos de prisão pelo crime de violação de uma rapariga de 23 anos, em Milão.

A Procuradoria de Milão solicitou esta terça-feira a detenção e a extradição do antigo futebolista brasileiro Robinho, condenado em janeiro, em última instância, a nove anos e prisão, após um crime de natureza sexual.

Robinho foi condenado pelo Supremo Tribunal de Itália, após ser acusado de, juntamente com um amigo e outras pessoas, ter violado uma rapariga de 23 anos, numa discoteca em Milão, em 2013, num período em que representava o AC Milan.

O pedido para Robinho, e para o amigo Riccardo Falco, foi encaminhado pelo Ministério da justiça de Itália às autoridades brasileiras, mas quase com a certeza de que não haverá extradição, pelo facto de a Constituição brasileira não o permitir para os seus cidadãos.

A situação, com a ordem de detenção internacional, deixa, no entanto, o antigo internacional sob 'ameaça' de prisão, caso saia do país e entre em qualquer território que tenha acordo de extradição com Itália.

Em janeiro, já em última instância, o tribunal negou o recurso da defesa de Robinho, que mantinha a versão de que o ato sexual foi consentido, situação desmentida por um áudio em que o ex-jogador brinca com a situação.

"Dá-me vontade de rir porque não me interessa, a mulher estava bêbada, nem sabe o que se passou", terão sido os comentários do jogador, intercetados numa conversa telefónica, e que ajudaram à também condenação no Supremo.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG