O oitavo ouro olímpico de Bolt e outros destaques do Jogos Olímpicos

Jamaicano assegurou o "tri" das provas em que corre sozinho, os 100 e os 200 metros

Usain Bolt conseguiu no Rio2106 o que nunca ninguém antes fizera no atletismo olímpico, uma tripla vitória em 200 metros depois de já se ter sagrando tricampeão nos 100 metros, só faltando o 'prometido' recorde mundial. Bolt conquista assim a oitava medalha de ouro nos Jogos Olímpicos e a segunda no Rio de Janeiro.

Já se esperava e, na quinta-feira, no Rio de Janeiro, confirmou-se plenamente: o jamaicano reparte com o nadador norte-americano Michael Phelps a primeira linha dos destaques do Rio 2016, podendo ainda juntar ao seu espólio o ouro dos 4x100 metros, a famosa 'tripla tripla'.

A jornada de finais de atletismo no estádio do Engenhão voltou a ser também muito agradável para os Estados Unidos, graças ao 'inevitável' Ashton Eaton, no decatlo, aos 'gigantes' do peso, com Ryan Crouser e Joe Kovacs a assegurarem os dois primeiros lugares e aos barreiristas, com Kerron Clement a ganhar os 400 metros da sua especialidade em masculinos e Dalila Mohamad e Ashley Spencer a fazerem '1-3' em femininos.

Para Bolt, terá sido o penúltimo passo para a 'imortalidade olímpica'. A despedida dos 'cinco anéis' fica para a estafeta que vai correr no sábado, mas como objetivo já assegurado fica o chegar ao 'tri' das provas em que corre sozinho, os 100 e 200 metros.

A vitória, em 19,78 segundos, fica razoavelmente longe do que Bolt queria e publicamente assumiu: o ataque à marca recorde de 19,19.

Sem o norte-americano Justin Gatlin na final, nem os seus companheiros de equipa Yohan Blake e Nickel Ashmeade, o favoritismo de 'lightning' Bolt ficou reforçado e, com uma partida excelente, o campeão já estava na frente à passagem da curva.

Para os 100 metros finais, inesperadamente não dilatou o avanço, incapaz de correr para recorde, assegurando bem o avanço para quem vinha mais atrás. Hoje, os melhores 'mortais', com prata e bronze, foram o canadiano Andre de Grasse (já medalhado nos 100 metros) e o francês Christophe Lemaitre, que assim consegue o resultado da sua carreira.

Na ausência de Gatlin, a 'honra' dos Estados Unidos foi defendida por LaShawn Merrit, que fez o que pôde, mas só foi sexto, ainda batido pelo britânico Adam Gemili e o holandês Churandy Martina.

Nação com mais tradições nos 100 e 200 metros nos Jogos Olímpicos, os Estados Unidos nunca ficaram tão subalternizados na velocidade como este ano, muito por culpa do avassalador 'efeito-Bolt'.

As outras disciplinas do atletismo é que não se mostraram afetadas com isso e os Estados Unidos 'mandaram' no decatlo, no lançamento do peso e nas barreiras baixas.

Apostar em Ashton Eaton, recordista mundial e vencedor de todas as grandes provas de decatlo desde 2012, era fácil, sabendo-se que estava em forma. Ganhou no somatório de pontos das 10 provas, com um novo recorde olímpico de 8.893 pontos.

A sua 'guarda de honra' no pódio fica entregue ao francês Kavin Mayer, inesperada prata com o recorde nacional de 8.834, e ao canadiano Damian Warner, bronze com 8.666.

Depois de alguns anos menos bons, em que perderam nos Jogos Olímpicos e em Mundiais, os Estados Unidos regressam como primeira potência mundial do lançamento do peso, 'coroando' no Rio2016 um atleta menos esperado da equipa, Ryan Crouser.

A marca conseguida, de 22,52 metros, é de grande nível e constitui novo recorde olímpico, relegando para segundo no pódio Joe Kovacs, apontado como o melhor dos norte-americanos, mas a ficar-se pelos 21,70.

Thomas Walsh, da Nova Zelândia, fechou o pódio, com 21,36, à frente das revelações de 'nações emergentes' na especialidade, como o são o congolês Franck Elemba e o brasileiro Darlan Romani. O campeão olímpico da há quatro anos, o polaco Tomas Majewski, de 35 anos, ainda conseguiu ser sexto e a grande desilusão, em sétimo, foi o alemão David Storl, que era vice-campeão olímpico e bicampeão do mundo.

Kerron Clement, o vice-campeão de 2008, chegou finalmente ao topo do pódio dos 400 metros barreiras, à frente do queniano Boniface Tumuti e do turco Yasmani Copello. O campeão mundial do ano passado, o queniano Nicholas Bett, foi desclassificado nas séries.

Nas barreiras baixas para mulheres, numa prova em que o 'trono' estava vago pela exclusão da Rússia, Dalila Moahamad consegue o seu primeiro grande sucesso como sénior, derrotando a dinamarquesa Sarah Slott Petersen e a sua compatriota Ashley Spencer, a negar à checa Zuzana Hejnova novo pódio.

No lançamento do dardo, confirmou-se o declínio da recordista do Mundo, a checa Barbara Spotaková, de 35 anos, que era dupla campeã e agora não passou do terceiro lugar, com 64,80.

A croata Sara Kolak, apenas no seu segundo ano de sénior, surpreendeu tudo e todos e com um recorde nacional a 66,18 arrebatou a medalha de ouro. Com a prata ficou a sul-africana Sunette Viljoen, (64,92) confirmando-se como uma presença habitual nos top-5 mas a quem falta ainda um grande sucesso.

Na competição masculina do triatlo, em que Portugal esteve bastante bem, graças ao quinto lugar de João Pereira, assistiu-se a mais um 'round' da icónica disputa entre os gémeos Brownlee, com a vitória a sorrir de novo Alistair e Jonathan a ficar com a prata, ele que fora bronze há quatro anos. No terceiro lugar chegou o sul-africano Henri Schoeman.

No boxe, Cuba prosseguiu o seu tradicional domínio na modalidade, com Julio Cesar La Cruz a vencer na final de meios-pesados o cazaque Adilbek Niyazymbetov. A Cuba só faltou um título, nesta edição dos Jogos.

Destaque ainda para os triunfos da Argentina na final de hóquei, sobre a Bélgica - uma estreia - e do Japão sobre a Dinamarca, na final de duplas de badminton, por tangenciais 2-1.

Os portugueses em prova

Portugal esteve perto de voltar a estar representado nos pódios do Rio 2016, com o quarto lugar dos canoístas Emanuel Silva e João Ribeiro em K2 1.000 metros, a 28 centésimos de segundo da embarcação australiana, terceira classificada.

Além da regata em que Portugal conquistou a prata em Londres 2012, também o triatleta João Pereira recuperou o atraso no setor da corrida, até ao quinto lugar, ficando a nove segundos do sul-africano Henri Schoeman.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG