O dia em que Gatlin ficou fora da final e outros destaques dos Jogos

Chuva de medalhas para os EUA em mais uma noite no Rio

A jamaicana Elaine Thompson é a nova 'rainha' olímpica das provas de velocidade, após juntar hoje no Rio de Janeiro o título dos 200 metros ao que já conquistara nos 100 metros.

Ao contrário de Londres 2012, as norte-americanas perdem o 'duelo' com as jamaicanas na velocidade intermédia, mas os Estados Unidos ficam com muito boas razões para festejar na jornada, graças à tripla no pódio de 100 metros barreiras e à 'dobradinha' alcançada no salto em comprimento, com Tianna Bartoletta e Brittney Reese.

A prova dos 200 metros é a grande especialidade da 'gigante' holandesa Dafne Schippers, que correu no limite, mas foi impotente para a boa segunda metade de corrida de Thompson, que assim 'vingou' a sua derrota e da sua compatriota Veronica Campbell-Brown, batidas por Schippers no Mundial do ano passado.

Schippers forçou e deu tudo, mas não chegou, estatelando-se no chão após cortar a meta de uma prova que queria mesmo ganhar, após o triunfo espetacular em Pequim 2015.

Elaine Thompson ganhou com 21,78 segundos, menos 10 centésimos do que Schippers, enquanto o bronze, em 22,15, vai para a melhor das norte-americanas esta época, Tori Bowie, já vice-campeã dos 100 metros.

Nos 100 metros barreiras, os Estados Unidos apareceram desfalcados de Keni Harrison, a recordista nacional, que nas provas de seleção norte-americanas não conseguiu um lugar. A regra é dura e nunca teve exceção: quem não ganha o lugar nos 'trials' não vai aos Jogos.

Em termos de medalhas, nada influenciou, já que as outras três deram muito bem conta do recado, com 12,48 para Brianna Rollins (campeã mundial em 2013), 12,50 para Nia Ali e 12,61 para Kristi Castlin.

A festa norte-americana no estádio Engenhão já tinha começado no salto em comprimento, com Tianna Bartoletta e Brittney Reese a ficarem com ouro e prata.

Bartoletta, que já foi conhecida como Tianna Madison, começou o Rio2016 com um registo de deceção, ao cair nas meias-finais dos 100 metros, mas no comprimento esteve ao seu melhor - ela que foi campeã do mundo com 10 anos de diferença, 2005 e 2015 -, com 7,17 metros, dois centímetros mais longe que Reese, que era a campeã de Londres e que conta com três títulos mundiais no palmarés.

Acima dos sete metros ficou também a medalhada de bronze, Ivana Spanovic, com um novo recorde sérvio a 7,05, numa prova em que Darya Klishina, única atleta russa autorizada a competir, passou discretamente, terminando em nono.

Nas meias-finais dos 200 metros, o jamaicano Usain Bolt foi o mais rápido, à frente de Andre de Grasse, do Canadá, e parece bem encaminhado para uma histórica 'tripla dupla' em 100 e 200 metros. E ainda haverá os 4x100 metros.

Com surpresa, fica fora da final o norte-americano Justin Gatlin, segundo mais rápido na distância entre os presentes nos Jogos, mas também os outros jamaicanos, Nickel Ashmeade e Yohan Blake, e o campeão da Europa, o espanhol Bruno Hortelano.

De manhã, prosseguiu o 'reinado' queniano nos 3.000 metros obstáculos, agora com o ouro a ir para Conseslus Kipruto, à frente do surpreendente norte-americano Evan Jager.

O campeão de Londres2012, Ezekiel Kemboi, do Quénia, chegou em terceiro mas foi desclassificado, o que permitiu ao francês Mahiedine Mekhissi chegar ao bronze e assim ser triplo medalhado na especialidade, depois da prata nas duas edições anteriores.

No ténis de mesa por equipas, o surpreendente Japão chegou à final, mas não conseguiu estragar o 'tri' à China, que alinhou com Ma Long (campeão individual), Zhang Jike e Xu Xin na vitória por 3-1 sobre Jun Mizutani, Koki Niwa e Maharu Yoshimura.

Desilusão lusa no taekwondo, já que Rui Bragança, que era esperança de medalha nos -58 kg, ficou arredado da corridas nos 'quartos' e não foi repescado. Na final, o chinês Shuai Zhao bateu o tailandês Tawin Hanprab, por 6-4. A final feminina de -49 kg opôs a sul-coreana Kim Sohui à sérvia Tijana Bogdanovic, com vitória da asiática por 7-6.

No hipismo, a França é a campeã de saltos de obstáculos por equipas, à frente dos Estados Unidos e da Alemanha, que só conquistou o bronze após desempate com o Canadá.

Os indonésios Tontowi Ahmad e Liliyana Natsir sagraram-se campeões de pares mistos em badminton, superando na final os malaios Chan Peng Soon e Goh Liu Ying.

As japonesas 'arrasaram' na luta livre feminina e arrecadaram o ouro em 48kg, 58kg e 69kg, enquanto no pugilismo, na final dos 69 kg, o cazaque Daniyar Yeleussinov ganhou ao uzbeque Shakhram Giyasov.

No dia em que o Brasil e Alemanha asseguram presença na final do futebol masculino, ficaram por realizar as regatas das medalhas da classe 470, tanto de masculinos como de femininos, por falta de tempo. Quinta-feira haverá nova tentativa na Baía de Guanabara.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG