Espírito olímpico: chocaram, caíram e abraçaram-se na meta

A história de duas corredoras que se ajudaram uma à outra a chegar à meta e à final

No início da corrida eram desconhecidas, mas cinco mil metros depois tinham deixado a sua marca na vida uma da outra: Nikki Hamblin e Abbey D'Agostino chocaram, caíram ao chão e depois ajudaram-se uma à outra a chegar à meta, nas meias-finais dos 5.000 metros, esta terça-feira.

As duas atletas já tinham feito dois terços da corrida quando caíram, um acidente relativamente fácil de acontecer quando se corre num grupo compacto, tal como tinha acontecido com o britânico Mo Farah.

A neo-zelandesa Nikki Hamblin nem percebeu bem o que aconteceu, mas quando deu por ela estava no chão, contou depois da prova. E antes que tivesse tempo de pensar em desistir Abbey D'Agostino estava a puxar por ela: "Levanta-te, temos de acabar isto".

Hamblin retribuiu-lhe o favor quando alguns metros depois foi a vez da norte-americana sentir os efeitos da queda. As imagens mostram a corredora a parar e falar com a colega. Incentivada por Hamblin, D'Agostino completou a prova mesmo lesionada. "Aquela rapariga é o espírito olímpico", disse Hamblin mais tarde.

A neo-zelandesa terminou a corrida na 15ª posição, com o tempo de 16.43,61, enquanto D'Agostino fez 17.10,02. Ambas ficaram longe do tempo da vencedora, a etíope Almaz Ayana, campeã olímpica e recordista na prova dos 10.000 metros, 15.04,35.

Mas para mostrar que os bonzinhos nem sempre acabam em último, as duas vão uma segunda oportunidade: foram autorizadas a correr novamente na final, programada para sexta-feira.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG