Real Madrid-Barcelona com seis vezes mais polícia do que o habitual

O 'clássico' de sábado da liga espanhola de futebol Real Madrid-FC Barcelona contará com mais de 2500 homens a garantir a segurança, entre eles 1200 polícias, seis vezes mais do que o habitual nestes jogos.

A informação foi avançada pela delegada do Governo em Madrid (o equivalente ao Governo Civil em Portugal), Concepción Dancausa, no seguimento de uma reunião de coordenação de segurança para o jogo, na qual participaram responsáveis da Câmara Municipal de Madrid, do Real Madrid e do Metro de Madrid, bem como da Cruz Vermelha Espanhola e da polícia (Brigada Provincial de Segurança Cidadã e da Brigada Provincial de Informação).

Além dos 1200 agentes da polícia nacional espanhola, estarão presentes em missão de segurança ao jogo 122 polícias locais (mais 42 do que o habitual), 1195 elementos de segurança privada do Real Madrid, 80 elementos das Emergências de Madrid e 60 da Cruz Vermelha.

O 'clássico' entre Real Madrid e FC Barcelona é um dos eventos desportivos que mais interesse despertam no mundo inteiro, atraindo milhares de turistas à capital espanhola. De acordo com as associações hoteleiras, para o fim de semana do jogo (ao qual deverão assistir no estádio cerca de 80 mil pessoas), os hotéis têm uma taxa de ocupação próxima dos 90%.

O jogo, relativo à 12.ª jornada da liga espanhola, surge uma semana depois dos atentados concertados em Paris (que incluíram uma tentativa falhada de detonar explosivos dentro do Stade de France, quando decorria o particular entre França e Alemanha). Os ataques - conduzidos por terroristas islâmicos - fizeram no total 130 mortos e centenas de feridos.

Já no decorrer da semana, um particular entre a Alemanha e a Holanda, em Hanover, teve de ser adiado devido a um engenho explosivo colocado no estádio.

"Além das medidas habituais num jogo de risco, vamos reforçar com medidas adicionais devido ao momento extraordinário em que nos encontramos", declarou Dancausa, numa referência aos atentados do fim de semana passado em Paris.

A mesma responsável apelou à "colaboração" e à "responsabilidade" dos cidadãos, enviando uma mensagem de "tranquilidade" para que tenham "absoluta confiança no professionalismo e eficácia" das forças de segurança.

Na quarta-feira, o ministro do Interior espanhol (Administração Interna), Jorge Fernández Díaz, descartou a possibilidade de adiar o jogo, afirmando que "não existem dados concretos" que levem as autoridades a suspeitar que algum grupo terrorista esteja a planear um atentado para o dia do 'clássico'.

A Espanha mantém um estado de alerta terrorista de nível 4 (numa escala de cinco), que indica um "risco alto" de atentados e pressupõe segurança policial reforçada em áreas e estruturas consideradas críticas, como estações de transportes públicos, aeroportos ou instalações críticas de energia.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG