Quim nunca ganhou a Taça. E se for no Aves, com 42 anos?

É o título que falta ao veterano guarda-redes, que ainda não decidiu se irá terminar a carreira depois do jogo no Jamor

Quim jogou seis épocas pelo Benfica e 13 pelo Sp. Braga, mas nunca conseguiu ganhar a Taça de Portugal. Ironicamente, pode vir a consegui-lo aos 42 anos, e ao serviço do Aves, que dia 20 de maio vai subir ao relvado do Jamor para defrontar o Sporting. "É mais uma prova de que no futebol acontecem coisas improváveis. Não é muito normal um clube com a dimensão do Desportivo das Aves, com apenas quatro presenças na I Liga, conseguir chegar à final da Taça, mas já que lá estamos vamos tentar ganhar ao Sporting, para confirmarmos a tese de que as finais não são para jogar, mas para ganhar", começa por referir ao DN.

Ao longo da carreira, Quim chegou duas vezes à final da Taça de Portugal, mas perdeu ambas. Primeiro, em 1997-98, quando o Sp. Braga foi derrotado por 3-1 pelo FC Porto, com ele na baliza. Depois, em 2004-05, o V. Setúbal surpreendeu o Benfica por 2-1, mas era Moreira o guarda-redes utilizado por Giovanni Trapattoni na Taça de Portugal. Esta temporada, e apesar de ter sido o guarda-redes escolhido para os jogos da competição - como quarta-feira, nas Caldas da Rainha -, não dá a titularidade como garantida no Jamor: "No futebol tudo muda de um momento para o outro e, nesta altura, até estou mais preocupado em ainda tentar ser opção no campeonato, nas quatro jornadas que faltam para garantir a manutenção."

Nesta altura, o Aves é a primeira equipa acima da linha de água, com mais dois pontos do que o Estoril e quatro sobre o Feirense, pelo que a manutenção ainda está longe de ser um facto consumado. Questionado sobre se prefere ganhar a Taça e descer de divisão ou assegurar a permanência e perder no Jamor, o veterano guardião nem hesita na resposta. "Sem dúvida que preferia ficar na I Liga, uma vez que continuar entre os grandes do futebol português é essencial para este clube e seria um justo prémio para os nossos adeptos, já que o Desportivo das Aves desceu de divisão nas outras três ocasiões em que esteve na I Liga", recorda.

Na final da Taça, a baliza do Sporting deverá ser ocupada por Rui Patrício, atual titular da seleção e verdadeiro especialista em desempates por grandes penalidades. Quim não se intimida. "Não, nada disso! (risos) No entanto, acho que ninguém duvida que ele é o melhor guarda-redes português e muito mais do que um grande defensor de penáltis", diz.

Curiosamente, na única final em que Quim defrontou o Sporting e Rui Patrício, até levou a melhor... e no desempate por penáltis. Foi numa célebre final da Taça da Liga, em 2008-09. Na altura, defendia a baliza do Benfica e parou três remates dos onze metros. "Se isso serve de motivação? Tudo o que permitir reforçar a confiança será bem-vindo... E esse foi sem dúvida um momento marcante na minha carreira, até porque se tratou de um título importante para o Benfica", sublinha.

Despedida em beleza?

Quim não esconde que terminar a carreira ganhando a Taça de Portugal seria uma despedida em grande. Um cenário que, no entanto, não quer ainda equacionar. "O mais importante, para já, é que o Desp. Aves consiga a manutenção. Por outro lado, ainda não tenho a certeza se vou acabar a carreira. No final da época vou sentar-me com o treinador e com os responsáveis do clube e veremos qual a melhor decisão", revela.

De resto, apesar dos 42 anos, garante que continua a ir todos os dias motivado para os treinos. "Tenho a mesma alegria de há 10 ou 15 anos. Sei que não vou jogar para sempre, mas neste momento continuo a estar muito motivado na minha profissão", refere.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG