Presidente da Argentina e Maradona também pedem a Messi que fique na seleção

Desde que o jogador argentino anunciou que vai deixar de jogar pela seleção nacional várias personalidades têm pedido que Messi reconsidere essa decisão

O Presidente da Argentina, Mauricio Macri, telefonou, na segunda-feira, ao futebolista Lionel Messi a pedir-lhe para ficar na seleção nacional.

"Ele telefonou-lhe e disse-lhe quão orgulhoso se sentia pelo desempenho da seleção nacional e pediu-lhe para não ligar às críticas", instando-o a não abandonar a formação 'albi-celeste' , disse um porta-voz de Macri à agência AFP, em declarações ao telefone.

O pedido de Macri junta-se ao do ex-futebolista internacional argentino Diego Maradona que fez o mesmo apelo a Messi.

"Messi tem que continuar na seleção. Ele tem de ficar porque vai chegar à Rússia em condições de se tornar campeão do mundo" em 2018, afirmou Maradona, em declarações citadas pelo portal do jornal argentino La Nacion.

Messi, de 29 anos, anunciou, no domingo, o seu adeus à formação 'albi-celeste' após perder uma nova final, desta feita, a da Copa América do Centenário diante do Chile em grandes penalidades.

A 'estrela' argentina, que voltou este ano a ser eleito o melhor jogador do mundo, conquistando a Bola de Ouro pela quinta vez, explicou ter pensado na decisão no balneário e que chegou mesmo a hora de por um ponto final na seleção.

Maradona, 55 anos, atribuiu a falta de troféus da Argentina nos últimos anos à Associação de Futebol do país (AFA), acusando-a de não apoiar Messi e de o deixar assumir a culpa pela derrota de domingo para encobrir as suas deficiências na gestão desportiva.

"Tem que se apoiar mais os rapazes que o podem ajudar a levar a equipa adiante e menos os que dizem que tem que ir embora. Ponham de parte aqueles que não o deixam sequer chorar!", afirmou.

"Os que dizem que tem que ir embora fazem-no para que não vejamos o desastre que é o futebol argentino", apontou o ex-futebolista, criticando a AFA.

A AFA atravessa uma crise institucional há meses, pelo que a FIFA nomeou, na passada sexta-feira, uma comissão de regularização que se encarregará de administrar a sua atividade diária e organizar eleições antes de 30 de junho de 2017.

A FIFA investiga a AFA através de três supervisores judiciais desde junho de 2015 por supostas irregularidades na gestão de fundos públicos que recebeu por parte do Governo pelos direitos de transmissão televisiva de jogos.

Na Argentina, várias pessoas têm pedido que Messi volte para a seleção e mensagens de apoio ao jogador foram espalhadas pelas cidades.

Mais Notícias