Portimão recebe segunda corrida de MotoGP com cancelamento da prova na Austrália

A 7 de novembro, o Autódromo Internacional do Algarve recebe pela terceira vez uma prova da categoria rainha do motociclismo de velocidade, depois de ter sido cancelada a etapa australiana devido às restrições nas viagens, no âmbito da pandemia.

O Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, vai voltar a receber uma etapa do Mundial de MotoGP, em 7 de novembro, após o cancelamento da etapa australiana, devido às restrições nas viagens, no âmbito da pandemia, anunciou esta terça-feira a organização.

O circuito algarvio, que acolheu o Grande Prémio de Portugal, em 18 de abril, na terceira etapa do campeonato do mundo de motociclismo de velocidade, vai acolher a 18.ª prova do ano, uma semana antes da corrida em Valência, que encerra a competição.

Em comunicado, a Dorna, promotora da competição, dá ainda conta da antecipação do Grande Prémio da Malásia em uma semana, para 24 de outubro.

"A continuação da pandemia de covid-19 e as consequentes dificuldades com as viagens e a logística significam que não é possível confirmar a viabilidade do evento [na Austrália] nesta altura", anunciou a Dorna, em conjunto com a Federação Internacional de Motociclismo (FIM) e a Associação de Equipas (IRTA).

De acordo com a versão revista do calendário do Mundial, mantêm-se 19 provas previstas.

A Argentina mantém-se ainda sem data definida e a Indonésia como prova de reserva.

Esta vai ser a terceira vez que a categoria rainha do motociclismo de velocidade passa pelo Autódromo Internacional do Algarve, depois da estreia em 2020, com a vitória de Miguel Oliveira (KTM).

O presidente da Federação Internacional de Motociclismo (FIM), o português Jorge Viegas, mostrou-se "muito contente" com o regresso do Mundial de MotoGP a Portugal.

"Estou convencido de que teremos as bancadas cheias", diz presidente da Federação Internacional de Motociclismo

Em declarações à Lusa, Jorge Viegas disse estar "muito muito contente por mais uma vez o MotoGP visitar Portugal, demonstrando a confiança da FIM e da Dorna na capacidade organizativa nacional".

"Além de ser a penúltima do Campeonato do Mundo, pelo que poderá ser decisiva para a atribuição dos títulos, estou convencido de que teremos as bancadas cheias para aplaudir o Miguel Oliveira e todos os outros protagonistas", sublinhou Jorge Viegas.

O português que gere os destinos do motociclismo mundial realçou, ainda, o facto de Portugal ter, com esta prova, "12 provas dos vários Mundiais da FIM em Portugal, sendo o próximo o de Resistência - 12 Horas do Estoril".

O português Miguel Oliveira ocupa o sétimo lugar da classificação de pilotos, com 85 pontos, menos 71 do que o francês Fabio Quartararo (Yamaha), que lidera o mundial após nove corridas.

Atualizado às 09:48

Mais Notícias

Outras Notícias GMG