Pinto da Costa: "FC Porto pode ir à final da Champions e ganhá-la"

Presidente do FC Porto foi entrevistado no Porto Canal, esta terça-feira e abordou as renovações de Otávio (presa por detalhes), Marega (sem data para acontecer) e Sérgio Conceição (até final da época). Dragões meteram Estado em Tribunal.

Para o presidente mais titulado do futebol mundial, os troféus nunca são demais. E se o campeonato está quase entregue ao Sporting, a Liga dos Campeões ainda está ao alcance do FC Porto. "Penso que depois de ter eliminado a Juventus, o FC Porto pode ir à final da Champions e ganhá-la. É o meu desejo, minha esperança e acredito que pode ser. Já acreditava em 1987 quando ninguém acreditava, só eu acreditava e depois o Artur Jorge sentiu-se contagiado e passou a acreditar. Tirando a primeira final, em 1984 com a Juventus, que perdemos, jogámos em mais sete finais e ganhámos todas. É evidente que seja qual for o adversário, queremos ganhar", disse esta terça-feira Pinto da Costa.

A Champions salva a época? "A Champions nunca é salvar a face. É a maior prova do mundo, que dá mais prestígio e que todos querem. Para chegar aos quartos de final há oito que conseguem em centenas. No país desses oito é sempre um facto notável. O FC Porto entra sempre em tudo para ganhar, mas não entra sozinho. Foi eliminado da Taça com fatores que não foram perfeitamente normais, está em segundo na Liga, ainda pode chegar a primeiro, com acesso na Champions no lugar em que está. A Champions nunca é salvar de face, estamos a encará-la como um clube que já ganhou essa prova duas vezes e quer ganhar a terceira", respondeu o presidente portista.

Em entrevista ao Porto Canal, Pinto da Costa recordou o abraço apertado a Sérgio Conceição em Turim e garantiu que quer renovar com o treinador: "Há 4 anos, no dia 27 de maio cheguei a acordo de palavra com o Sérgio Conceição. Estava certo que ele teria sucesso. Conheço-o desde 16 anos de idade, quando veio para o FCPorto. Reconheço o amor que ele tem pelo FC Porto. O Sérgio Conceição tem contrato com o FC Porto até fim da época e é minha intenção e dele também renovarmos. Ele entendeu e já o disse que nesta altura quer estar focado na Champions mas tenho a certeza que no final ou antes da final renovaremos o contrato. Acredito cegamente e podemos fazer muito mais com Conceição."

Depois lamentou ainda que em Portugal, "os grandes êxitos e acontecimentos são às vezes um pouco esquecidos ou escondidos e quando são realçados é com muita azia". E como não podia deixar de ser falou de arbitragens... com ironia à mistura: "Os árbitros são mais rigorosos em marcar só o que realmente é falta. Encostos e faltinhas estão a deixar andar. Isso torna o jogo mais atraente e com tempo útil maior. Foi positivo que Conceição tenha contribuído para essa melhoria, embora com isso creio que vá ter um processo disciplinar."

Renovações? Pepe tinha de ser o primeiro

"No início da época havia quatro em fim de contrato: Pepe, Sérgio Oliveira, Otávio e Marega. Decidimos que queremos continuar com os quatro jogadores. Eu mesmo decidi que primeiro tinha de ser o Pepe, pelo que significa para o FC Porto. Podia ter ido para estrangeiro e ganharia no mínimo três vezes mais do que aqui, veio apenas por paixão. Entendi que pelo passado dele, e com atitude e dia a dia como vive, ele tinha de ser o primeiro a renovar. Renovou por 2 anos, tem provado nos últimos jogos que se calhar daqui a 2 anos estamos a renovar de novo. Aos 38 anos, no jogo com o Paços, ele correu mais de 10 km. É notável! Correu não à maluca às voltas no campo, foi para lances ofensivos que terminou no primeiro golo do jogo".

Depois iniciou negociações com os outros três. Sérgio Oliveira já renovou há algum tempo. "Otávio está preso por detalhes e para Marega não há prazo, é quando empresário puder vir", revelou o líder dos dragões.

Por entre críticas ao calendário desportivo e ao Governo de António Costa na gestão da pandemia que roubou os adeptos aos estádios, Pinto da Costa abordou a bazuca de 65 milhões de euros para o desporto, que pode ser boa para o futebol não-profissional, mas não serve os interesses de um clube como o FC Porto que teve um prejuízo de 27 milhões de euros com a pandemia.

"O FC Porto paga 42 milhões de euros por ano de impostos, mais 7 milhões de segurança social... Sabe qual foi a ajuda do Estado? A devolução do IVA como qualquer empresa. Tínhamos a receber aré 31 de dezembro 7,5 milhões do Estado. Não nos pagaram. A 5 de janeiro entrámos em tribunal e nessa altura pagaram 4 milhões. A 21 de janeiro reclamámos os 3,5 milhões. O tribunal notificou o Ministério das Finanças para pagar e até agora... Agora em março mais um milhão e tal... Isto não são subsídios, isto é restituição do que temos direito", denunciou o presidente.

Para o líder dos dragões o futebol tem tido um tratamento diferenciado por parte do Estado: "Se nos atrasarmos um dia estão em cima de nós, mas eles devem-nos a nós... Não é sério que o Estado multe os contribuintes quando se atrasa e depois não pague dentro dos prazos. Se calhar o Estado gostava que se parassem as competições, mas isso... Dos 22 jogadores da Seleção Nacional sabe quantos jogam em Portugal? Cinco. É que um jogador aqui ganha líquido nem metade do que aufere e lá fora é diferente."

Falando em dinheiro, como está a questão do fair play financeiro da UEFA? "Tivemos um lucro de 34 milhões de euros no 1º semestre, neste momento temos dados que nos permitem pensar que podemos melhorar no 2.º semestre. Há o contributo na Champions que foi importante, mais as saídas de jogadores como o Danilo Pereira, que só será concretizada se o PSG for à Champions. Outros com opções que vão ser exercidas. Estamos no bom caminho", defendeu Pinto da Costa.

Saída do FC Porto? Quando perceber que não fez tudo o que o clube precisava

Pinto da Costa é presidente do FC Porto desde 1982. A saída está pensada? "Quero chegar ao fim do dia, quando me deito, e ter a consciência que fiz tudo o que o FC Porto precisava. No dia em que isso não acontecer vou-me embora. Disse na primeira reunião, em 1982, que não sabia se estaria dois meses ou três anos, mas que no dia que não fizesse o que entendesse ser o melhor para o FC Porto, fosse por medo ou porque não era conveniente, me iria embora no dia seguinte. Cometi erros e tomei más opções, mas sempre por achar que era o melhor para o FC Porto.", respondeu.

O presidente dos dragões garantiu ainda que o ciclista Raúl Alarcón vai recorrer da suspensão por doping e defendeu que o espanhol que venceu a Volta a Portugal pela W52 FC Porto em 2017 e 2018, "teve um desastre em que ficou maltratado e tomou medicação que não poderia tomar". E denunciou um complô para a descida de divisão que mete o Canal 11 da Federação Portuguesa de Futebol e a APAF (Associação dos Árbitros) ao barulho.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG