Selecionador Pedro Cordeiro destaca semana histórica de João Sousa

O selecionador Pedro Cordeiro reconheceu hoje que a vitória de João Sousa em Kuala Lumpur constitui um "grande dia" para o ténis português, a coroar uma semana de feitos históricos.

"É um grande dia, aliás, a coroar uma grande semana, porque mesmo que a final hoje corresse menos bem ao João, as vitórias que conseguiu eram já feitos históricos para o ténis português. Mas como se costuma dizer, isto é a cereja no topo do bolo. Depois de uma semana como esta e a primeira vez que fica apurado para jogar uma final ATP, vencer é muito bom", assegurou o "capitão" da seleção nacional de ténis à agência Lusa.

Pedro Cordeiro acredita que João Sousa pode dar definitivamente o salto para o lote de 50 melhores do mundo.

"O João é um jogador com qualidade, relativamente jovem, com 24 anos. Tudo é possível. É óbvio que as responsabilidades agora vão ser maiores, mas estou convencido que se continuar com a postura de guerreiro, de humildade e trabalho, a continuidade dos bons resultados é possível", explicou.

Para a semana perfeita no torneio de Kuala Lumpur, na Malásia, terá contribuído, na opinião do selecionador, o "percalço" na Taça Davis frente à Moldávia, ou seja a derrota numa maratona de quase cinco horas, com "especificidades" muito próprias, designadamente uma arbitragem demasiado "caseira"

"Tenho a certeza que esse jogo também ajudou ao crescer do João. Ele já vinha demonstrando de alguns meses a esta parte que está num excelente momento de forma para o qual trabalhou e pelo qual lutou. Estes resultados não são uma lotaria, são fruto do trabalho. Obviamente que o facto de jogar nos grandes palcos com grandes jogadores, caso do [Andy] Murray e [Novak] Djokovic, vão-lhe dando confiança para a sua carreira", recordou.

Pedro Cordeiro pensa que o primeiro triunfo de sempre de um português num torneio ATP pode "significar muito ou pode continuar a não significar nada".

"Vai depender das pessoas que estão no ténis, que saibam tirar partido destes acontecimentos, porque pode alterar muito o ténis, principalmente naquilo que mais falta tem feito ao ténis desde sempre, que é apoios", defendeu.

O selecionador nacional lembrou que Portugal já teve outros jogadores bem classificados, nomeadamente Frederico Gil e Rui Machado, facto que foi desaproveitado.

"Está na hora das entidades que possam apoiar o ténis que o façam, porque temos muitos jovens com qualidade e agora cada vez mais vão acreditar que é possível lá chegar", concluiu.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG