CDUL mantém invencibilidade ao impor-se a Direito em Monsanto

Os campeões nacionais continuam o caminho 100 por cento vitorioso na Divisão de Honra ao ganharem esta tarde em casa do seu principal rival na luta pelo título, por claros 32-13, triunfo que praticamente lhes garante o 1.º lugar da fase regular.

O jogo entre as duas melhores equipas nacionais e únicas com reais possibilidades de discutirem o título começou com o quinze da casa empolgado e a empurrar o CDUL para a sua área de 22. Os universitários surgiram em modo de pic-nic, como que espojados ao sol de Monsanto, apáticos, expectantes... e quando acordaram, perdiam aos 12' por 6-0, com duas penalidades convertidas por Pedro Leal. Só aí a equipa de Damien Steele (que na 1.ª volta vencera em casa por concludentes 21-3 e agora voltou a obter um resultado bem aproximado) se espreguiçou e acordou. E como acordou...

Aos 17' um pontapé para trás da defesa advogada foi mal controlado (João Silva deixou a oval bater várias vezes...) e do lance sairia a primeira falta dos homens da casa, da qual Pedro Cabral aproveitaria para reduzir (6-3). E esse seria o sinal para o virar de página do jogo, com os campeões nacionais - onde alinhou como titular na 2.ª linha o veterano luso-argentino Eduardo Acosta, antiga estrela de Direito, seu ex-técnico e membro da equipa técnica nacional até ao ano passado... - a mandarem decididamente no jogo, pois as suas rápidas e imaginativas linhas atrasadas começaram a abrir o livro. E cedo se percebeu que os advogados não o sabiam ler ou decifrar...

Aos 33' o formação Nathan Munro apanhou totalmente desconcentrada a defesa adversária ao marcar uma falta rapidamente à mão para fazer o 1.º e facilitado ensaio da tarde, que virava o resultado para 10-6. E os minutos finais da 1.ª parte seriam uma sucessão de lances perigosos construídos pelos três-quartos do CDUL, alguns desperdiçados de forma incrível - até que aos 44' numa jogada de grande beleza, Bernardo Canas faria os 17-6 ao intervalo.

O 2.º tempo começou com o ensaio de Direito apontado pelo n.º 8 Luís Sousa a furar bem decidido um alinhamento conquistado por Vasco Uva (17-13). E perante uma certa sobranceria universitária, a equipa da casa passou a dominar a partida, mas sem conseguir criar lances de ensaio iminente. Até por que o abertura Nuno Sousa Guedes nunca soube comandar convenientemente o jogo da sua equipa... e só havia em campo um Adérito Esteves, que sempre muito esforçado e a ir receber as bolas a todo o lado, ia criando alguns problemas ao adversário. E seria com naturalidade que em dois rápidos contra-ataques pelas pontas, o CDUL mataria o jogo e garantiria o ponto de bónus atacante, com ensaios do há pouco entrado Tomás Noronha e do capitão Gonçalo Foro, que estabeleciam os desnivelados 32-13 finais, marcando de novo clara diferença entre os candidatos.

Entretanto na Tapada Agronomia venceu o Cascais, por 35-17, num jogo que só foi equilibrado na 1.ª parte (17-13), pois nos segundos 80 minutos os agrónomos vincaram clara supremacia, concluindo com um ensaio de mêlée conseguido no derradeiro lance da partida.

No Restelo o Belenenses confirmou a sua subida de forma e ascendeu pela primeira vez na época ao 6.º lugar (que dá acesso ao play-off do título) ao cilindrar uma frágil Académica, por 45-10 num triunfo conseguido à custa de sete ensaios, com 'hat-trick' do internacional Duarte Moreira.

Não se pode considerar por completo uma surpresa, mas merece honras de resultado mais estranho da ronda a derrota do CDUP em Arcos de Valdevez, frente ao CRAV, por 27-26. Desfecho que, para lá de atirar com os portuenses, por agora, para fora da discussão do play-off, garantiu praticamente a permanência dos minhotos na Divisão de Honra, pois este seu 4.º triunfo na prova coloca-os com 8 pontos de vantagem sobre o lanterna vermelha RC Montemor. Numa partida muito equilibrada, a equipa da casa conseguiu cinco ensaios (incluindo fantástico bis do centro argentino Juan Pablo Joya) contra três dos visitantes - sendo o último, de autoria de Pedro Silva decisivo ao virar o resultado de 23-22 favoráveis ao CDUP, para inalcançáveis 27-23, pois uma penalidade tardia da equipa portuense mostrar-se-ia insuficiente para a vitória.

Classificação a duas jornadas do fim da fase regular: CDUL, 75 pontos; Direito, 66; Técnico e Cascais, 52; Agronomia, 43; Belenenses, 26; CDUP, 24; Académica, 19; CRAV, 18; RC Montemor, 10.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG