"Injustiça" no adeus de "um símbolo". As reações à morte de Quintana

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lembrou a forma como era respeitado o guarda-redes nascido em Cuba. Esta foi uma das muitas mensagens de pesar pelo desaparecimento do guarda-redes do FC Porto e da seleção nacional. "Foi uma maravilha de atleta", disse Pinto da Costa.

A morte de Alfredo Quintana gerou uma série de reações dos mais variados quadrantes, desde Presidente da República, Governo, Federação de Andebol de Portugal, Federação Europeia e até os clubes rivais do FC Porto, Benfica e Sporting. Todos eles deixaram mensagens de profundo pesar pelo desaparecimento do guarda-redes de 32 anos, que defendia a baliza dos dragões e da seleção nacional, vítima de uma paragem cardiorrespiratória no treino da passada segunda-feira.

"O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa lamenta a morte do guarda-redes da seleção nacional de andebol Alfredo Quintana", lê-se mensagem divulgada no site oficial da Presidência, recordando que Quintana "nasceu em Cuba, mas naturalizou-se português e granjeou um invulgar respeito e admiração entre os seus pares".

"Representava o FC Porto e a seleção portuguesa. O andebol e o desporto português ficam mais pobres com esta partida precoce que a todos consterna. O Presidente da República apresenta à família enlutada, ao FC Porto e à Federação de Andebol de Portugal as mais sentidas condolências", concluiu Marcelo Rebelo de Sousa.

Também o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, manifestou profunda tristeza pela morte do guarda-redes, considerando que o seu desaparecimento prematuro "chocou o mundo desportivo". "Nascido em Havana, Cuba, Alfredo Quintana era já um valor seguro do desporto português, na modalidade de andebol", refere na sua nota de pesar.

"Após cumprir o processo de naturalização, Alfredo Quintana foi chamado à seleção nacional, tendo sido um dos grandes destaques no Europeu de 2020 e no Mundial de 2021, em que Portugal alcançou as suas duas melhores prestações de sempre: Respetivamente, a sexta e a décima posição. Afável, de sorriso fácil, o desaparecimento prematuro de Alfredo Quintana chocou o mundo desportivo e a comunidade em geral", afirma Ferro Rodrigues.

João Paulo Rebelo, secretário de Estado da Juventude e do Desporto, recorreu à sua conta de Twitter para assinalar que Quintana era "um símbolo da nossa seleção nacional de andebol", considerando tratar-se de uma "perda irreparável".

Pinto da Costa: "Foi uma maravilha de atleta"

Pinto da Costa, presidente do FC Porto, garantiu Alfredo Quintana, guarda-redes da equipa de andebol do clube, ficará para sempre no coração dos que privaram com ele. "Partiu, deixou-nos um grande vazio, mas ficará para sempre no coração de todos nós, de todos os que com ele conviveram, no seio sobretudo dos que lutaram dia a dia, juntamente com ele, para que o clube que ele amava, o FC Porto, fosse cada vez maior", disse o líder dos dragões, em declarações ao Porto Canal.

O líder portista lamentou a morte de "um grande homem, um grande atleta, um grande portista, um cidadão exemplar", quando estava "na força da vida, aos 32 anos", após "11 anos dedicados de alma e coração ao FC Porto".

"Foi uma maravilha de atleta. Dedicou-se ao FC Porto a 100 por cento e, ao fim de quatro anos, quis assumir a nacionalidade portuguesa, pois, segundo disse, não queria mais sair do FC Porto. Infelizmente, este acidente lamentável e triste levou-o de junto de nós fisicamente, porque espiritualmente o Quintana só desaparecerá no dia em que partir o último de todos aqueles que com ele lidaram. Será uma memória viva para todos nós", referiu.

Federação decreta um mês de luto

A Federação de Andebol de Portugal (FAP) referiu que Quintana "nunca deixará de estar na memória de todos que o acompanharam" no FC Porto e na seleção nacional.

O selecionador Paulo Jorge Pereira, que em janeiro levou Alfredo Quintana ao Egito para defender as cores nacionais no Campeonato do Mundo lembrou os "muitos momentos juntos" e que se trata de alguém que "fará falta como desportista e como pessoa por espalhar sempre alegria, entusiasmo e vida".

"Nunca imaginei que fosse por um motivo destes que falaria do Alfredo Quintana. Não tenho palavras que possam explicar o que sinto. Só me ocorre pensar que a grandeza, mas também a vulnerabilidade enquanto humanos não tem limites. Custa-me imaginar que já não estará entre nós para continuar a deixar rasto neste novo caminho", disse o técnico nacional no site oficial da FAP.

Por sua vez, o presidente federativo disse estar "sem palavras" em relação a notícias "que não devíamos ter". "O Alfredo Quintana deixou-nos de forma abrupta. Não merecia. Não é justo. Deixa de estar em campo, mas nunca deixará de estar na memória de todos os que o acompanharam", lamentou Miguel Laranjeiro, também no site oficial da FAP, acrescentando que "com o seu espírito alegre e extrovertido, soube sempre dar um contributo imprescindível em cada jogo em que entrava. Foi sempre extraordinária a sua relação com o público em todos os momentos. Nunca o esqueceremos".

Miguel Laranjeiro recordou ainda uma conversa que teve com o guarda-redes em agosto: "Em cada palavra que proferia, era uma demonstração de amor pelo andebol, família e filha. Em cada palavra deixava um sinal de comprometimento em tudo em que se envolvia."

Refira-se que a direção da FAP decretou um mês de luto em os eventos sociais e desportivos até 31 de março, incluindo encontros de clubes e seleções a nível regional, nacional e internacional, ações de formação e sorteios, entre outros. O executivo de Miguel Laranjeiro decidiu ainda propor à Mesa da Assembleia Geral a aprovação de um voto de reconhecimento e pesar a Alfredo Quintana, que deve ser submetido na próxima reunião magna, que deverá realizar-se em abril.

A Federação Europeia de Andebol (EHF) mostrou-se "profundamente entristecida" pela morte do guarda-redes do FC Porto e da seleção portuguesa, enviando "sinceras condolências neste momento triste".

"Profundamente entristecida, a EHF une-se ao luto pela morte de Alfredo Quintana e envia sinceras condolências à família, amigos e companheiros de equipa, bem como ao FC Porto e à Federação de Andebol de Portugal. Descansa em paz, Alfredo", lê-se numa publicação nas redes sociais da EHF.

Benfica e Sporting unidos na dor

Benfica e Sporting também lamentaram a morte do internacional português. Em comunicado na sua página oficial e nas redes sociais, os encarnados endereçaram "as mais sentidas condolências à família e amigos de Alfredo Quintana, bem como ao FC Porto e à Federação de Andebol de Portugal", realçando que a morte do guarda-redes "deixou consternado o universo desportivo português".

O Benfica acrescenta que este é o momento de "homenagear um atleta de excelência que sempre deu tudo pelas camisolas que envergou" e sublinham que Alfredo Quintana, "um dos mais marcantes guarda-redes de andebol da atualidade", deixa um legado de "forte espírito desportivo" e "referência para os jovens".

O Sporting sublinha que "o desporto ficou mais pobre", endereçando também as condolências à família, amigos e ao FC Porto. "Até sempre, Alfredo Quintana", acrescentam os leões.

Outros clubes nacionais e internacionais deixaram igualmente mensagens de pesar pela morte de Quintana, sendo o Barcelona um deles. "Desde o FC Barcelona juntamo-nos à dor de todo o mundo do desporto e do andebol pelo falecimento de Alfredo Quintana. Todo o nosso apoio e força para a sua família e amigos, para o FC Porto e para a Federação de Andebol de Portugal. Eterno Quintana".

Mas também o Sporting de Braga e o Belenenses se associaram a este momento de dor.

Desporto universitário não esquece

Também a Federação Académica do Desporto Universitário (FADU) manifestou "profundo pesar" pela morte de Alfredo Quintana, que foi campeão da Universíada de 2015. Em comunicado, recorda que o internacional português frequentou o curso de Ciências do Desporto na Faculdade de Desporto na Universidade do Porto, tendo conquistado a medalha de ouro na competição universitária, disputada em Gwangju, na Coreia do Sul.

A estrutura académica enaltece o "percurso notável no desporto", que, "a par disso, e apesar de ser difícil conciliar os estudos com os compromissos enquanto desportista de alto nível, vincou sempre a vontade de querer terminar o curso de Ciências do Desporto". "A FADU endereça à família, amigos, companheiros de equipa e a todos os que sentem a sua partida, as mais sentidas condolências", lê-se no comunicado da federação académica.

Também a Universidade do Porto lamentou a morte de um dos "melhores guarda-redes do mundo", um "membro da família", antigo aluno da sua Faculdade de Desporto.

"Para nós, era muito mais do que um dos melhores guarda-redes de andebol do mundo. Era um membro da família... Até Sempre Alfredo Quintana (1988-2021), alumnus da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto", assinalou a Universidade.

Uma mensagem partilhada também pela Faculdade de Desporto, num texto acompanhado por uma fotografia do guarda-redes do FC Porto e da seleção portuguesa. "Eterno campeão. À família do seu antigo estudante, a Faculdade endereça as mais sentidas condolências", assinalou a Faculdade de Desporto.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG