Presidente da UEFA anuncia firmeza contra clubes com divídas

O presidente da UEFA, Michel Platini, criticou hoje os clubes de futebol por manterem o seu enorme endividamento em período de crise, afirmando ainda que actuará com firmeza no que diz respeito ao "fair play" financeiro.

As regras da UEFA destinadas a conter os gastos irresponsáveis e excessivos dos clubes entrarão em vigor a partir de Julho, prevendo punições como a exclusão dos emblemas das provas europeias por incumprimento.

"O `fair play" financeiro é algo muito importante neste período de crise", disse Platini, em Milão, Itália, onde recebeu o Prémio Facchetti", que realça o carácter de um desportista que faz jogo limpo.

Segundo o responsável pelo futebol na Europa, não é compreensível que, "enquanto a economia está a sofrer, haja equipas de futebol com dívidas tão grandes".

"Os clubes não podem gastar mais do que o que ganham (...) e eu sou o chato que quer parar com isso", afirmou Platini, revelando que a indústria do futebol europeu produz 1,4 mil milhões de dívida por ano.

Michel Platini criou o sistema de "fair play" financeiro para impedir os clubes com dívidas constantes de participar na Liga dos Campeões e Liga Europa, a não ser que apresentem um exercício equilibrado anual.

O antigo internacional francês falou ainda do sistema que implementou, à experiência até final da época de 2012, que contempla a utilização dos chamados juízes de baliza (o quarto e o quinto árbitros auxiliares) nas provas da UEFA.

O sistema está a ser testado de modo a auxiliar o árbitro principal a decidir corretamente lances de difícil juízo, como se a bola entra ou não na baliza e faltas ou simulações dentro da grande área.

"Não sei estas medidas serão ou não aprovadas, pois acho que Blatter [presidente da FIFA] não gosta delas por não serem uma ideia sua", disse Platini.

O presidente da UEFA afirma-se contra a utilização de tecnologia no futebol, mas admite que "os árbitros precisam de ajuda, pois todos os seus erros estão a ser apreciados na televisão".

"Um árbitro, por si só, não é suficiente. Precisa de ajuda de dois assistentes sob a linha de golo", concluiu Platini, que espera pelo fim do Campeonato Europeu de 2012 "para ver o que vai fazer o 'International Board' a esse propósito".

Michel Platini recebeu o "Prémio Facchetti", atribuído pelo jornal italiano Gazzetta dello Sport, pelo seu papel em prol do "fair play" no futebol.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG