Nuno Espírito Santo: "O golo seria um justo prémio para os nossos adeptos"

"Fomos condicionados com as duas expulsões, em situações completamente diferentes", desabafou o treinador do FC Porto.

Para Nuno Espírito Santos a expulsão de Alex Telles, no Dragão, e Maxi, em Turim, fizeram a diferença. "Fomos condicionados com as duas expulsões, em situações completamente diferentes. Nesta de hoje é a lei que o diz, mas a lei tem de ser revista porque uma equipa não pode ser penalizada duas vezes, com penálti e expulsão", disse o treinador do FC Porto, após perder com a Juventus (1-0) e ser eliminado da Liga dos Campeões.

"Não há vitórias morais mas foi uma demonstração de grande caráter dos jogadores, fizeram um bom jogo, tiveram oportunidades. O golo seria um justo prémio para os nossos adeptos que nos apoiaram sem parar e os jogadores sentiram esse apoio. Sairíamos reforçados porque era um justo prémio para todos e trazia um pouco de verdade à eliminatória", disse Nuno.

Apesar disso, o técnico saiu satisfeito: "Estou satisfeito pela maneira como interpretámos o jogo. Sabíamos que era uma eliminatória difícil. No Dragão fomos condicionados. Com onze jogadores não sofremos golos. Com onze a nossa consistência defensiva não foi quebrada. Depois soubemos jogar e os jogadores fizeram um bom trabalho. Este é o caminho certo para o nosso plano de estarmos na Champions. Para muitos jogadores esta foi a primeira vez numa Champions e demonstraram que estão capacitados para competir a este nível."

Mais Notícias

Outras Notícias GMG