No aproveitar é que está o ganho: eis a lição francesa

Dois golos de Griezmann, aproveitando erros impensáveis da defesa dos campeões do mundo, definiram o adversário de Portugal na final do próximo domingo.

Desta vez, ao contrário do ditado "linekeriano", no fim não ganhou a Alemanha. A jogar em casa, a França levou a melhor sobre um adversário a quem nunca tinha vencido numa fase final, numa partida em que não tendo sido brilhante teve a virtude de aproveitar os impensáveis erros germânicos, que resultaram nos dois golos do encontro de Marselha. Portugal vai assim ter de defrontar os bleus na final de domingo, em Saint-Denis - um estádio de que não guarda boas recordações (já lá perdeu por 4-0 e 2-1, este último na estreia de Fernando Santos) -, e se quiser ir à Taça das Confederações terá mesmo de conquistar este Euro"2016.

Didier Deschamps apostou no onze que goleara a Islândia nos quartos-de-final, relegando Kanté para o banco, com Pogba e Matuidi a assumirem as funções defensivas no meio-campo, com Griezmann a vaguear atrás de Giroud e Sissoko à direita. E o certo é que os gauleses conseguiram passar o seu primeiro teste a sério (se a caminhada lusa não foi das mais complicadas, o que dizer de uma lista que inclui Roménia, Albânia, Suíça, República da Irlanda e os já referidos islandeses?), num jogo em que tiveram, sobretudo, o mérito de saber tirar o máximo partido das asneiras dos homens de Löw. Já os campeões do mundo regressaram ao seu esquema habitual depois de terem utilizado três centrais frente à Itália, embora sem os lesionados Khedira e Gómez e o castigado Hummels - estreou-se Emre Can ao lado de Schweinsteiger, subindo Kroos, enquanto Draxler jogava na esquerda, Özil na direita e o desinspirado Müller na frente.

Depois de um início forte dos gauleses, com Griezmann a conseguir rematar de posição frontal após uma série de tabelas com Matuidi, obrigando Neuer a aplicar-se para evitar o golo (7"), a Alemanha assumiu o comando das operações e empurrou a equipa da casa para a sua zona defensiva, conseguindo controlar as suas saídas. Lloris começou a brilhar, impedindo que Schweinsteiger inaugurasse o marcador, e Umtiti impediu que Müller conseguisse chegar à bola. Ainda assim, os alemães acumulavam erros pouco habituais: faziam faltas frontais (um perigo, quando há Payet do outro lado) ou deixavam-se bater em bolas aéreas, como sucedeu aos 42", quando Giroud se impôs assim a Boateng na linha de meio campo e correu até à baliza de Neuer, valendo então a intervenção de Höwedes. Mas, quando tudo se encaminhava para um nulo ao intervalo, Hector cedeu um canto desnecessariamente - na sequência do mesmo, Schweinsteiger decidiu voar como o Super-Homem e acabou por cortar com a mão o cabeceamento de Evra. Rizzoli, por indicação de um dos seus assistentes, apontou para a marca dos 11 metros e Griezmann não perdoou.

Maldições trocadas

O segundo tempo começou de forma igual ao primeiro: melhor a França nos minutos iniciais. A pouco e pouco, a Mannschaft foi reconquistando o comando, embora sem a mesma lucidez, mas estava escrito que ontem não era o seu dia - se tinha acabado com a maldição italiana, nada garantia que os franceses não lhe fizessem o mesmo. Boateng lesionou-se sozinho e teve de sair, e as más decisões acumulavam-se (Payet podia ter aproveitado melhor uma perda de bola mas rematou sem força).

Aos 71", Deschamps achou que não valia a pena continuar com tantos homens ofensivos e trocou o extremo do West Ham por Kanté. E no minuto seguinte o céu caiu nas cabeças alemãs: uma bola mal passada na grande-área (responsabilidades entre Kimmich e Höwedes) sobrou para Pogba e o centro do médio não foi convenientemente afastado por Neuer. Griezmann fez uso do seu sangue lusitano e aproveitou: um toque de sola por baixo das pernas do guardião germânico e tudo ficou decidido. Löw ainda lançou Götze e Sané para o assalto final mas nada havia a fazer, isto apesar de Kimmich ainda ter acertado num poste e obrigado Lloris a uma defesa extraordinária. O segundo bilhete para Saint-Denis estava entregue.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG