"Nenhuma seleção do Euro tem atacantes com o talento de Ronaldo e Quaresma"

Bölöni, treinador que lançou no Sporting a provável dupla de ataque nacional, acredita que Portugal pode mesmo ganhar o Europeu

O tempo vai diminuindo para o jogo de estreia de Portugal no Euro, com a Islândia na próxima terça-feira em Saint-Étienne, e a dúvida sobre quem acompanhará Cristiano Ronaldo no ataque também. Nani parecia ter o lugar garantido, mas a verdade é que Ricardo Quaresma marcou à Noruega, ameaçou com a Inglaterra e bisou (e brilho) com a Estónia. Ou seja, tudo se perfila para que o avançado do Besiktas seja titular na terça-feira ao lado de Ronaldo.

Ambos os jogadores foram lançados no escalão sénior por Laszlo Bölöni, o último treinador campeão nacional pelo Sporting em 2001--2002, época em que debutou Quaresma - Ronaldo só se estreou em 2002-03. Passaram muitos anos mas, em conversa com o DN, o romeno continua a mostrar uma admiração sem limites pelos dois futebolistas. "Hoje em dia são dois jogadores com grande experiência, talento e que gostam de jogar por Portugal, que na minha opinião tem uma ótima seleção", sublinhou Bölöni, em bom português.

O orgulho do treinador nos dois jogadores que apadrinhou leva-o mesmo a fazer uma avaliação forte. "Sabe, eu tenho a certeza do que vou dizer: não há jogadores no mundo com mais talento do que Ronaldo e Quaresma. Eu olho para as seleções que estão no Europeu e não há nenhuma - nem a França, nem a Espanha, nem a Itália, nem a Alemanha... - que tenha avançados com o talento de Ronaldo e Quaresma. Por isso, se me perguntar se Portugal, que tem muitos jogadores com grande maturidade, pode ganhar o Europeu, eu digo que sim, pode muito bem vencer. Nesse capítulo isso será mais importante para Ronaldo. Desejo muito que ele e Quaresma façam grandes exibições, o treinador vai dar-lhes confiança para fazerem tudo e, se falei da importância do Euro para Ronaldo, não tenho grandes dúvidas de que Quaresma pode ser uma das figuras do torneio", referiu.

O que sobra do Mustang?

Quando esteve em Portugal, Laszlo Bölöni escreveu um livro - Bloco de Notas - sobre o ano do título leonino, em que apelidava Ricardo Quaresma (hoje com 32 anos, na altura com 18) de Mustang. A referência a Quaresma vale a pena ser recordada. Dizia assim Bölöni: "Vale a pena fazer aqui uma reflexão mais demorada sobre Quaresma. Até porque foi exatamente contra o Standard de Liège que este jovem me convenceu em absoluto sobre as suas potencialidades. Ele fez um grande jogo. Após este encontro comparei-o, nas minhas anotações, a um Mustang difícil de dominar. Anotei esse comentário com um grande ponto de interrogação. Perguntava-me, "será que algum dia ele conseguirá aceitar determinadas regras que o podem tornar um bom cavalo de corrida, com bom galope, ou nunca irá aceitar as regras e permanecerá um Mustang que corre livremente mas sem rumo?"."

Lemos esta passagem ao treinador, que não tardou a soltar uma gargalhada forte. O que sobra daquele Mustang? "Ohhh! O meu Mustang tem hoje mais força, mais experiência, mais maturidade. E já tem capacidade para aceitar as regras e o seu trabalho na equipa. Hoje ele consegue respeitar o objetivo da equipa sem perder aquele talento incrível", salienta, com uma pontinha de emoção.

A finalizar, questionado sobre se vai ficar a torcer pelos seus "meninos", o romeno interrompe para corrigir: "Não, não! Já não são meninos. Já trabalhámos há muitos anos e eu parei de falar sobre eles como se fossem meninos, têm provado que estão com muita maturidade."

"Voltou a ser um miúdo"

Ao que o DN apurou, Ricardo Quaresma tem sido um dos principais animadores do estágio da seleção, numa alegria constante que é visível nos poucos minutos de treino aberto.

"Vê-se que ele está motivado para uma grande competição, as coisas estão a correr-lhe bem, é um miúdo que precisa de confiança. Vejo-o mais tranquilo, mais alegre, está a voltar a ter um pouco de miúdo", diz ao DN Beto, capitão do Sporting nas épocas em que Quaresma e Ronaldo foram lançados, tendo-se sagrado campeão pelos leões com o atual avançado do Besiktas.

Em Marcoussis, ou mais propriamente desde que Ronaldo chegou ao estágio, Quaresma tem estado perto do capitão e de Pepe. "Sempre se deram bem, são de uma geração semelhante e sempre se acompanharam um ao outro", diz Beto sobre os dois jogadores que o atual selecionador perdeu para Manchester United e Barcelona, respetivamente, quando treinava o Sporting no início da época 2003--2004. "Já passou muito tempo, mas percebeu-se que o mister Fernando Santos apreciava muito os dois e a perda foi grande, pois eram importantes para o projeto daquele ano", recorda o antigo central, que não tem dúvidas de que Quaresma será titular no primeiro jogo de Portugal: "Depois destes últimos jogos é unânime que ele está bem. Está a ser uma mais-valia. Até porque pode ser o último Europeu dele, acredito que esteja muito motivado."

Mais Notícias

Outras Notícias GMG