Desilusões no dia histórico da natação feminina portuguesa

Ana Catarina Monteiro alcançou a a terceira melhor classificação de sempre de um nadador português

Ana Catarina Monteiro foi esta quarta-feira a primeira portuguesa a disputar uma meia-final da natação em Jogos Olímpicos, ficando a 0,75 segundos da última apurada para a final, num dia em que João Almeida, Nelson Oliveira e Bárbara Timo desiludiram.

A nadadora do Clube Naval Vilacondense, de 27 anos, foi quinta na sua semifinal, ao nadar em 02.09,82 minutos, que lhe valeu o 11.º lugar na competição, a terceira melhor classificação de sempre de um português, só batida pelos sétimo e nono lugares de Alexandre Yokochi, nos 200 metros bruços, em Los Angeles1984 e Seul1988, respetivamente.

A marca alcançada em Tóquio2020, aquém do seu recorde pessoal (02.08,03 minutos), deixou a nadadora muito perto de mais um feito histórico, só alcançado por Yokochi, em 1984.

Já Gabriel Lopes e Alexis Santos ficaram de fora dos lugares de qualificação para as meias-finais dos 200 metros estilos, com os 21.º e o 28.º lugares, respetivamente, tal como Francisco Santos, nos 200 costas, com o 22.º posto nas eliminatórias.

Nos tatamis do emblemático Nippon Budokan, dois anos depois de ter sido vice-campeã do mundo em -70 kg, ao perder frente à francesa Marie Eve Gahie, Bárbara Timo foi derrubada pela croata e campeã do mundo Barbara Matic, por ippon, no segundo combate,

A judoca, que se estreou na competição com um triunfo frente à jamaicana Ebony Drysdale Daley, que recebeu três castigos, terminou o torneio olímpico no nono lugar.

No Autódromo Internacional de Fuji, João Almeida e Nelson Oliveira terminaram nos 16.º e 21.º lugares o contrarrelógio individual, a 3.29 e 3.55 minutos do vencedor, o esloveno Primoz Roglic, respetivamente.

João Almeida chegou aos 44,2 quilómetros do exercício individual contra o relógio com o estatuto de campeão nacional da especialidade, enquanto Nelson Oliveira defendia o sétimo posto alcançado no Rio2016.

No andebol, Portugal perdeu por um golo frente à Suécia, vice-campeã do mundo, por 29-28, permanecendo no quarto lugar do Grupo A - o último que dá acesso aos quartos de final -, com dois pontos.

O agrupamento é liderado por Dinamarca, campeã do mundo e próxima adversária da equipa das 'quinas', e pela Suécia, com seis pontos cada, mais dois do que o Egito, que se destacou da seleção nacional ao vencer o anfitrião Japão, por 33-29.

Na vela, Jorge Lima e José Costa subiram dois lugares, para o nono posto da competição em 49er, após dois sextos lugares e um nono nas regatas esta quarta-feira disputadas, enquanto os irmãos Diogo Costa e Pedro Costa, vice-campeões do mundo da classe 470, estrearam-se nos Jogos com um 13.º e um 10.º lugares, ocupando a 12.ª posição global.

Igualmente positivo foi o 12.º lugar alcançado pelo canoísta Antoine Launay na qualificação de K1 slalom, que lhe valeu uma das 20 vagas nas meias-finais, em disputa pelos 24 canoístas presentes.

Também estreante, o atirador João Paulo Azevedo iniciou a competição de fosso olímpico (trap) com 72 pontos e o 17.º lugar no primeiro dia de qualificações, a um ponto do sexto lugar, o último que dá acesso à final.

Rodrigo Torres conseguiu melhorar o seu recorde pessoal na final individual de ensino em desporto equestre, ao somar 78,943 pontos, com o cavalo Fogoso.

O cavaleiro de Monforte terminou o Grand Prix Freestyle no 16.º lugar, um dia depois de ter alcançado o oitavo lugar na final de equipas, igualando o resultado da última presença olímpica lusa na disciplina, por Gonçalo Conchinhas Carvalho, em Londres2012.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG