"Conheço muito bem o Nuno e ele vai levar o FC Porto ao bom caminho"

Para o central, que já viveu dérbis escaldantes como os de Atenas e Istambul, não há clássico como o português. Bruno Alves torce e acredita na vitória do FC Porto. E mostra confiança no "líder" que treina a equipa

Jogou dez clássicos entre FC Porto e Benfica, entre outubro de 2005 e maio de 2010: viu um cartão vermelho no primeiro, marcou um golo no último. Que recordações guarda desses jogos?

O que mais me ficou na memória foi o último jogo no Dragão, porque marquei e por ser o da despedida. Estes são sempre jogos especiais, com muita emoção e um enorme significado. Como se diz, não importa jogá-los mas vencê-los. É importante demonstrar determinação, vontade e... no final vencer.

Esses jogos pesam um pouco no subconsciente dos jogadores e muito no dos adeptos, que acabam por cobrar muito mais do que num jogo normal, não é?

Claro que sim. É bom ter um pouquinho de sangue-frio. Os jogadores começam a sentir esse clima muito antes de a partida ter início e as emoções podem ficar muito à flor da pele. Mas com a experiência o sangue-frio vai começando a aparecer e pode-se viver esses jogos com toda a emoção.

Até porque também dá mais prazer entrar nestas partidas, são aquelas com que se sonha desde o início.

Exatamente, são jogos que se começa a viver desde muito cedo, quando se começa a gostar de um clube. Toda a gente os vive com muito emoção: família, os adeptos... está tudo interligado.

Também experimentou os dérbis escaldantes de Atenas (pelo AEK Atenas) e de Istambul (Fenerbahçe). Um FC Porto-Benfica é diferente de tudo que se vive lá fora?

Claro que é diferente, porque é no nosso país e se sente muito o clube. A família, os adeptos, a cidade onde moramos... está tudo envolvido. Por mais que esses dérbis lá fora sejam intensos, em Portugal o significado é outro.

Falando do clássico de hoje: poderá ser decisivo, tendo em conta que o Benfica já tem cinco pontos de avanço sobre o FC Porto, ou ainda é demasiado cedo para ter esse carácter?

Este jogo vale mais do que três pontos para as duas equipas. Acredito que o FC Porto precisa mais de vencer neste momento, porque tem alguma diferença de pontos. E o Benfica vai querer ampliar a vantagem. Vai ser um jogo de grande intensidade. Espero que tenha toda a entrega e vontade, mas que seja também um grande jogo de futebol.

FC Porto e Benfica vêm de importantes vitórias na Liga dos Campeões. Qual dos dois estará em melhores condições para ganhar?

É muito difícil fazer esse prognóstico porque o Benfica vai na frente, está num bom momento, tem ganho jogos, foi campeão nos últimos três anos, é muito forte e tem experiência... E o FC Porto precisa de vencer, de conquistar pontos para voltar a ganhar títulos. Acredito que, estando a melhorar, jogando em casa e tendo necessidade de se aproximar mais do Benfica, o FC Porto pode ganhar. E torço por isso, porque é o clube do meu coração.

Sendo um jogo quase de vida ou de morte, o Dragão pode empurrar a equipa para a vitória?

Sem dúvida que os adeptos do FC Porto fazem a diferença e muitas vezes são eles que levam a equipa a conseguir importantes vitórias. Aliás, queria deixar uma mensagem para eles: continuem a acreditar na equipa, no treinador, nos jogadores, na direção. Eles sabem levar o clube pelo melhor caminho, como conseguiram no passado. E hão de voltar a consegui-lo no futuro. É muito bom jogar num ambiente em que os adeptos estão todos a passar uma energia positiva, a dar aquela força necessária para vencer. Dito isto, não há melhor resposta do que chegar ao relvado e dar tudo. Dando tudo, com certeza que terão o respeito dos adeptos do FC Porto. Independentemente de se ganhar ou não, eles querem é ver raça, vontade e determinação.

Será essa mentalidade à FC Porto, essa dedicação e espírito de sacrifício, que tem faltado à equipa nos últimos tempos?

Não. Eu acredito que os jogadores têm dado sempre o melhor e o máximo dentro de campo, como é exigido naquela casa. Este é um momento de transição e penso que o FC Porto está mais forte do que nos anos anteriores.

O treinador, Nuno Espírito Santo, recuperou a identidade do clube?

Conheço muito bem o treinador do FC Porto: foi meu companheiro de equipa, já então era um líder e hoje também o é. Acredito no sucesso do Nuno. Ele vai levar o FC Porto ao bom caminho que todos os portistas desejam. Estou a pôr muita fé nele e acredito que ele vai trazer sucessos para a equipa, para o clube e para os adeptos.

No relvado, quem é que pode desequilibrar este clássico?

Há muitos jogadores que podem desequilibrar: o André [Silva], que está num bom momento, o Brahimi - gosto muito das suas qualidades -, o Otávio, que também tem estado muito bem. Mas é preciso um bom trabalho do coletivo para fazer esses jogadores sobressair.

E quem será preciso ter debaixo de olho no Benfica?

Acho que o Benfica também tem uma equipa sólida, muito boa, com um forte coletivo. Há o Luisão, que neste ano tem demonstrado como é forte como jogador e como líder, o Mitroglou, o Salvio, o Pizzi. Gosto muito do futebol dele [Pizzi], é um jogador completo, de qualidade, e está num grande momento de forma. Todos eles são jogadores que podem fazer a diferença.

Em suma, estão reunidas as condições para um grande espetáculo?

Exatamente. Como já disse, espero que tenha todos os ingredientes (a vontade, a raça, a determinação) e que seja também um grande jogo, que permita aos adeptos apreciarem belos pormenores de futebol. E, no final, que vença o FC Porto.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG