Drama em Copenhaga com colapso de Eriksen e vitória da Finlândia

Jogador do Inter caiu inanimado aos 41 minutos, mas recuperou a consciência ainda no relvado. Colegas decidiram reatar a partida depois de terem falado ao telefone com Eriksen, que ficou hospitalizado. A Finlândia aproveitou o descontrolo emocional e fez história.

A estrela dinamarquesa Christian Eriksen foi o protagonista do Dinamarca-Finlândia pelos motivos que ninguém deseja, ao ter caído inanimado em campo durante o jogo, tendo sido submetido com sucesso a manobras de reanimação e levado para o hospital, onde foi submetido a testes. O jogo de Copenhaga ficou para segundo plano e foi suspenso por quase duas horas, tendo acabado com a vitória dos finlandeses, um resultado histórico.

O jogo do Grupo B , o terceiro do torneio repartido por 11 cidades, foi interrompido pouco antes do intervalo, quando estava empatado a zero, na sequência do momento dramático. Enquanto Eriksen recebia manobras de reanimação pela equipa médica, os companheiros de equipa, num círculo à volta do jogador, ficaram em lágrimas.

Quando foi retirado de maca, cerca de 15 minutos depois, o médio de 29 anos do Inter de Milão, apresentava-se consciente. Mais tarde a Federação Dinamarquesa de Futebol (DBU) disse que Eriksen estava "acordado e a ser submetido a mais testes".

Os jogadores recolheram aos balneários, não se sabendo na altura se a partida seria reatada.

"Momentos como este colocam tudo em perspetiva", disse o presidente da UEFA Aleksander Ceferin. Mas a perspetiva mudou duas horas depois e o jogo foi retomado.

Segundo a UEFA a decisão de reiniciar foi tomada "na sequência do pedido dos jogadores de ambas as equipas".

Ao telefone com os colegas

"Temos estado em contacto com ele, e os jogadores têm falado com Christian. Essa é a grande notícia. Ele está bem, e eles estão a jogar o jogo por ele", disse Peter Moeller, um diretor da DBU, à televisão dinamarquesa. Os adeptos no estádio terão ficado satisfeitos, uma vez que aplaudiram quando a partida foi reatada.

"Forza Chris, todos os nossos pensamentos estão contigo", tuitou o Inter, com quem Eriksen ganhou o título da Serie A na temporada que acabou de terminar. O Totenham, onde Eriksen passou sete temporadas oriundo do Ajax, enviou igualmente várias mensagens de apoio ao jogador: "Rápidas melhoras, Christian. Toda a família Spurs está contigo."

O capitão da seleção portuguesa de futebol, Cristiano Ronaldo, reagiu através das redes sociais ao incidente, desejando as melhoras ao jogador dinamarquês. "Os nossos pensamentos e orações estão com o Christian Eriksen e a sua família. O mundo do futebol está unido à espera de boas notícias. Estou a contar encontrar-te em breve no campo, Chris! Fica forte!", escreveu Ronaldo na sua conta do Instagram.

Também o presidente da FIFA, Gianni Infantino, desejou "os melhores votos" de melhoras ao jogador numa mensagem no Twitter.

Nem todas as mensagens positivas se fazem com palavras. Numa atitude de respeito, a Inglaterra decidiu cancelar a sua conferência de imprensa antes do jogo de domingo contra a Croácia. "Devido ao acontecimento perturbante ocorrido em Copenhaga, e com o acordo da UEFA, a conferência de imprensa prevista para hoje foi cancelada", indicou a Federação Inglesa de Futebol, 20 minutos antes do início previsto para o encontro com os jornalistas.

Finlândia faz história

Cerca de 16 mil pessoas acorreram ao Estádio Parken de Copenhaga, ou seja, 45% da capacidade. Antes do colapso de Eriksen, estavam a celebrar a oportunidade de ver a sua equipa nacional novamente ao vivo nas bancadas, após um ano de restrições devido à pandemia do novo coronavírus.

Os adeptos dinamarqueses tinham grandes esperanças na sua equipa, que foi a surpreendente campeã europeia em 1992. A Finlândia está a jogar pela primeira vez num grande torneio e não podia ter começado de melhor forma. A partida foi reiniciada mais tarde e Joel Pohjanpalo marcou o único golo do confronto ao completar de cabeça um cruzamento de Jere Urone (60).

Aos jogadores dinamarqueses não faltou estímulo para vencer a partida e dedicar a vitória ao colega hospitalizado, mas as emoções não ajudaram. A equipa da casa teve a oportunidade de empatar logo a seguir ao golo sofrido, mas Pierre-Emile Hojbjerg não teve arte para finalizar uma grande penalidade, que acabou defendida pelo guarda-redes finlandês Lukas Hradecky.

Feitas as contas, a Dinamarca rematou 22 vezes, seis delas à baliza, e a Finlândia apenas fez o remate da vitória. O caminho da Dinamarca para os quartos de final fica mais complicado: na próxima partida defronta a poderosa Bélgica, também em Copenhaga, enquanto a Finlândia joga com o vizinho de leste, a Rússia.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG