CD da FPF instaura processo ao caso Palhinha após participação do Benfica

Utilização do médio leonino no dérbi com o Benfica continua a dar que falar. Rui Costa tinha avisado que se estava a abrir um precedente perigoso.

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol informou esta sexta-feira que instaurou um processo de inquérito "na sequência de participação disciplinar apresentada por sociedade desportiva para apuramento do alegado recurso a tribunais estaduais e eventual utilização/participação irregular de jogador." Em causa, apurou o DN, está uma participação feita pelo Benfica referente à utilização do médio Palhinha no recente dérbi entre as duas equipas, que os leões venceram por 1-0.

Ainda de acordo com a nota emitida pelo Conselho de Disciplina da FPF, sem nunca referir que se trata do caso de Palhinha, o CD da FPF informou que "o processo foi enviado, hoje, à Comissão de Instrutores da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, ficando excluída a publicidade até ao fim da instrução".

Este caso ainda pode dar muito que falar. Palhinha, recorde-se, tinha visto o quinto cartão amarelo e estava impedido de defrontar o Benfica. Mas o Sporting apresentou uma providência cautelar que foi aceite pelo Tribunal Central Administrativo do Sul. Como resultado, o castigo ficou suspenso e o jogador acabou por ser utilizado na partida contra o Benfica, entrando em campo aos 61 minutos.

Na sequência desta decisão, e já nesta semana, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) decidiu recorrer para o Supremo Tribunal Administrativo do provimento dado à providência cautelar apresentada pelo Sporting junto do Tribunal Central Administrativo do Sul.

Já antes, depois de conhecida a decisão do Tribunal Central Administrativo do Sul, que suspendeu a eficácia do castigo ao médio leonino, o Conselho de Disciplina da FPF tinha criticado a argumentação do departamento jurídico dos leões, referindo que a SAD leonina tinha fundado o seu pedido de providência cautelar apenas numa alegação genérica sobre a inconstitucionalidade do sancionamento em processo sumário, alegadamente por não se garantir o exercício do direito de defesa.

Também Rui Costa, dirigente do Benfica, numa recente entrevista à BTV, referiu que o caso de Palhinha estava a criar um precedente grave.

Rui Costa frisou que "não foi por o João Palhinha jogar ou não que o resultado do Benfica [derrota por 1-0] se alterou", mas lembrou que o clube da Luz teve "uma resposta diferente" em relação a um pedido semelhante feito para Otamendi, quando o argentino completou uma série de cinco cartões amarelos à nona jornada.

"E se todos os clubes se manifestarem hoje da mesma forma, quantos cartões amarelos é que vão ser retirados a todos os jogadores? Quantos amarelos foram mal dados em jogos que até não têm a mesma importância que os do Benfica, do FC Porto e do Sporting? Abriu-se aqui um precedente muito perigoso e é a isso que temos de estar atentos", analisou.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG