Campeão olímpico compensa mulher que lhe pagou um táxi que o levou a horas para o estádio

Hansle Parchment apanhou um autocarro que o levava para o local das competições de remo, mas foi salvo por uma mulher que lhe pagou um táxi que o levou a horas para o estádio, onde brilhou nos 110 metros barreiras.

O campeão olímpico nos 110 metros barreiras, Hansle Parchment, esteve muito perto de falhar a prova que lhe deu a glória nos Jogos Olímpicos de Tóquio, que terminaram no domingo.

A medalha de ouro esteve em risco muito antes de começar a prova quando escolheu o autocarro errado. O atleta jamaicano tinha de apanhar o autocarro para o estádio olímpico, mas enganou-se e apanhou o que se dirigia para o local das competições de remo. Foi então que foi salvo por uma mulher que lhe pagou um táxi que o levou a horas para o estádio.

Num vídeo do Instagram, Parchment explicou que ficou sem esperança de chegar a tempo ao recinto. "Encontrei a voluntária e tive que implorar, porque obviamente ela não tinha permissão para fazer muito. Ela deu-me algum dinheiro para apanhar um táxi", contou.

"E foi assim que consegui chegar à pista de aquecimento do estádio, com tempo suficiente para aquecer e competir. Foi simplesmente fantástico", acrescentou.

Parchment fez questão de reencontrar a mulher no fim de semana para lhe mostrar a medalha que não teria vencido sem a sua ajuda. "Você foi fundamental para eu chegar à final naquele dia", afirmou, surpreendendo a voluntária quando lhe mostrou a medalha de ouro. "A sério que conseguiu isto!?", retorquiu a mulher.

Parchment ofereceu à voluntária uma camisola da Jamaica, devolveu o dinheiro para o táxi e, de acordo com o portal jamaicano The Gleaner, o ministro do Turismo do país ofereceu à mulher uma viagem gratuita para a ilha caribenha.

O jamaicano Hansle Parchment sagrou-se no dia 5 de agosto campeão olímpico dos 110 metros barreiras nos Jogos de Tóquio 2020, impondo-se ao norte-americano Grant Holloway, campeão mundial e apontado como o grande favorito.

Hansle Parchment concluiu a prova em 13,04 segundos, impondo-se a Holloway, que cronometrou 13,09, e a Ronald Levy (13,10), também da Jamaica, que arrecadaram as medalhas de prata e bronze, respetivamente.

Terceiro nos campeonatos nacionais da Jamaica e segundo em Tóquio 2020, tanto na sua série de apuramento como na meia-final, Parchment, que foi bronze há nove anos em Londres 2012, aproveitou uma quebra de velocidade de Holloway nas últimas barreiras para conquistar o ouro olímpico.

Antes da final, era praticamente indiscutível o favoritismo do campeão mundial Holloway, que nos campeonatos dos Estados Unidos ficou a apenas um centésimo do recorde mundial da distância (12,80), na posse de Arries Merritt.

Grant Holloway, de 23 anos, não perdia uma prova desde agosto de 2020, quando foi batido no Mónaco pelo espanhol Orlando Ortega, baixa em Tóquio 2020 devido a lesão.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG