Rui Vitória: "Mascarado de Zorro? Não gosto de fazer promessas"

O treinador do Benfica deu os parabéns a Paulo Fonseca "pelo arrojo" na Champions e garantiu "exigência permanente" dos encarnados até final da época

Rui Vitória não admite imitar Paulo Fonseca, treinador do Shakhtar que a meio da semana apareceu mascarado de Zorro cumprindo uma promessa por alcançar o apuramento para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões.

"Não faz parte da minha forma de pensar a vida. Sou muito realista, pragmático e frio, acredito no meu trabalho e nas pessoas com quem trabalho", assumiu, mas ainda assim deixou uma palavra a Paulo Fonseca: "Dou os parabéns ao Paulo Fonseca pelo arrojo que teve." Depois de dizer que não tem por hábito fazer promessas, "até porque o futebol é um jogo", o técnico encarnado lembrou que a época "não termina em dezembro, mas sim em maio", razão pela qual o Benfica "tem de estar pronto para a maratona que se tem de fazer até lá".

Em relação à partida (18.15 horas) deste sábado com o Estoril, no Estádio da Luz, Rui Vitória garantiu que a equipa "não irá entrar em campo a pensar na liderança no final da partida", ainda que de forma provisória. "O foco é somar os três pontos, o que nos leva a entrar com determinação e intensidade, perante um adversário com ideias diferentes desde que chegou o novo treinador, que não sofreu golos nos dois jogos que realizou", explicou.

Rui Vitória admite que o homólogo Ivo Vieira "arrumou a equipa à sua maneira, com ideias muito positivas", destacando que o Estoril é "uma equipa com jogadores jovens, com qualidade, e se forem deixados a vontade podem ganhar em qualquer campo".

Questionado sobre se a derrota com o Basileia e a consequente eliminação da Liga dos Campeões sem qualquer ponto conquistado originou alguma mensagem de exigência por parte de Luís Filipe Vieira, o treinador assegurou que "o presidente faz sempre o que tem a fazer", razão pela qual garantiu que "a exigência está sempre presente". "O presidente nem precisa de muita conversa, até porque há uma exigência muito grande da nossa parte para disputar este campeonato até ao limite", frisou.

O facto de estar fora das competições não é para Rui Vitória um benefício tendo em conta a sobrecarga de jogos que as equipas por norma estão sujeitas a partir de fevereiro. "Não há uma relação direta nessa questão. Nos últimos dois anos fomos campeões e estivemos nas competições europeias até mais adiante, por isso não há uma tese que se possa considerar certa, há sempre circunstâncias que condicionam as épocas. Eu até gosto de jogar mais vezes. No fundo, não há uma certeza de causa efeito e a nossa experiência é exemplo disso", explicou

A terminar, Rui Vitória deixou ainda uma palavra a Cristiano Ronaldo relativamente à conquista da sua quinta Bola de Ouro: "É uma satisfação enorme enquanto português. Ás vezes não temos bem a noção do impacto que isto tem, temos de estar orgulhosos por termos alguém que divide cinco Bolas de Ouro com um jogador como Messi. Parabéns ao Cristiano."

Mais Notícias

Outras Notícias GMG