Rafa Silva. 14 meses sem conseguir brilhar na Luz

Jorge Paixão, que o treinou em Braga, explica apagão do extremo que custou 16 milhões de euros com a forte concorrência

Há 14 meses, Rafa Silva andava numa roda-viva com a novela da sua transferência . O FC Porto chegou a ser apontado como destino do extremo campeão da Europa, o Sporting também esteve na corrida, mas acabou por ser o Benfica a garantir a sua contratação junto do Sporting de Braga por um valor recorde entre clubes portugueses: 16 milhões de euros.

A enorme expectativa que se criou em torno de Rafa foi-se esfumando-se a ponto de o jogador ter ficado de fora das últimas três convocatórias de Rui Vitória - Manchester United, Desp. Aves e Feirense -, o que acaba por confirmar o baixo rendimento que tem tido desde que chegou à Luz, que inclusivamente implicou que o selecionador nacional Fernando Santos o deixasse de chamar à equipa das quinas.

Jorge Paixão, um dos primeiros treinadores de Rafa Silva na I Liga, então no Sporting de Braga, considera que a fase por que o extremo está a passar tem apenas que ver com "o momento" que é reflexo da "muita concorrência" que encontrou no Benfica, equipa que tem Salvio, Zivkovic, Franco Cervi e Diogo Gonçalves para as funções de extremo-direito e esquerdo. "Basta um jogador não estar bem dois ou três jogos e acaba por sair da equipa, pois há outros de qualidade para entrar para o seu lugar", assumiu, admitindo no entanto que Rafa "não tem sido feliz" no clube da Luz "até pela expectativa que se criou em torno dele".

No total, são apenas 21 jogos como titular em 14 meses, num total de 38 em que foi utilizado, e só dois golos marcados, com Desp. Chaves e Tondela para a Liga na época passada. Apesar destes números, Jorge Paixão, de 51 anos, garante que Rafa Silva "não se vai deixar afetar" pelas dificuldades por que passa.

"Está no clube há pouco mais de um ano e, pelo que conheço dele, não irá atirar a toalha ao chão e acredito que irá ultrapassar esta fase. Apesar da demora, vai acabar por impor-se", sublinha, aproveitando para deixar uma certeza, um pouco em resposta àqueles que começam a duvidar das suas capacidades: "Ninguém pode duvidar da sua enorme qualidade. O Rafa foi um jogador muito importante para o Sp. Braga, que já é um clube grande com muita exigência por parte dos adeptos, onde ele chegou vindo da II Liga, o que não o inibiu de construir a sua história no clube."

Valor da transferência sem peso

O facto de Rafa ter protagonizado a maior transferência entre clubes nacionais (16 milhões de euros) não pode ser encarado, segundo Jorge Paixão, como fator de inibição para o seu rendimento. "O dinheiro não pode interferir com os atletas. É bom que as pessoas percebam que um jogador de futebol é um ser humano, que tem emoções. Há uns que reagem bem às adversidades e outros nem tanto", sublinhou.

No caso concreto do internacional português, o antigo treinador do Sp. Braga assegura que se trata de um atleta que "não se deixa ir abaixo" e que, além disso, "é muito tranquilo e forte psicologicamente", algo que considera serem "requisitos importantes para dar a volta". E é nesse contexto que deixa, através do DN, uma mensagem ao seu ex-jogador: "Ele que continue a acreditar nele porque, mais tarde ou mais cedo, vai acabar por ressurgir em grande. Além disso, tem de estar com a cabeça no lugar e perceber o momento que está a viver e aquilo que ele pode significar, pois só assim poderá ultrapassar os problemas e regressar à equipa bem mais forte", frisou.

Rafa Silva está há 14 meses de águia ao peito e ainda tem mais quatro anos de contrato, período durante o qual terá de melhorar o rendimento, até porque se trata do segundo jogador mais caro da história do Benfica, só ultrapassado pelos 22 milhões de euros do mexicano Raúl Jiménez.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG