Benfica pode agarrar-se ao exemplo de Vítor Pereira

Águias têm 18 jogos para recuperar cinco pontos - em tão curto espaço só o FC Porto o fez. Vitória conseguiu algo parecido em 2015-16

O empate entre Benfica e Sporting e a vitória do FC Porto em Santa Maria da Feira deixaram os dragões isolados no primeiro lugar com cinco pontos de vantagem sobre os encarnados, isto quando faltam disputar 18 jornadas para o final do campeonato. Com os leões ainda na corrida (a dois pontos da liderança), a questão que se coloca é se o Benfica vai ainda a tempo de dar a volta ao texto. Matematicamente sim, mas a verdade é que um olhar aos últimos campeonatos (desde que a vitória vale três pontos, a partir de 1995-96) permite chegar a uma conclusão: só por uma vez, a faltarem 18 jogos para o fim, uma equipa conseguiu recuperar de uma desvantagem de cinco pontos para um líder.

Na temporada 2011-12, o FC Porto, então treinado por Vítor Pereira, cometeu essa proeza única e com uma margem de jogos mais reduzida do que o Benfica atualmente. À passagem da jornada 18, e num ano em que, ao contrário deste, o campeonato só tinha 30 jornadas (ou seja, menos quatro do que o atual), os dragões tinham precisamente cinco pontos de atraso para o Benfica de Jorge Jesus. E terminaram campeões com um total de 75 pontos, mais seis do que os encarnados, graças a uma ponta final em que nos derradeiros 12 jogos apenas concederam um empate e na qual venceram os dois clássicos em disputa - vitória na Luz por 3-2 e no Dragão diante do Sporting por 2-0.

Se houve mérito dos dragões nesta recuperação (além do primeiro lugar acabaram com o melhor ataque e a melhor defesa do campeonato), também se pode falar em demérito do Benfica, que da jornada 18 até ao final desse campeonato concedeu três derrotas (V. Guimarães, FC Porto e Sporting) e três empates (Académica, Olhanense e Rio Ave, todos fora de casa).

Este é o melhor exemplo a que o Benfica se pode agarrar para conquistar nesta temporada o tão ambicionado pentacampeonato, tendo os encarnados um ponto a seu favor, que é o facto de neste momento estarem apenas na luta pelo campeonato e já fora de todas as outras competições, o que não vai obrigar Rui Vitória a ter de gerir jogadores, ao contrário de FC Porto e Sporting, os rivais diretos na luta pelo título.

Ganhar sete pontos aos leões

A sensacional recuperação do FC Porto na temporada 2011-12 é o único caso em que uma equipa portuguesa conseguiu recuperar cinco pontos a 18 ou menos jogos do final do campeonato. Mas o Benfica (e Rui Vitória) já passou por uma situação algo semelhante e sagrou-se campeão nacional, apesar de ter tido mais jogos para recuperar a distância para o líder.

Em 2015-16, precisamente na primeira temporada de Rui Vitória no Benfica (na época em que Jesus se mudou para o Sporting e Maxi Pereira rumou ao Dragão), os encarnados chegaram à 13.ª jornada, ou seja, a 21 jogos do fim da Liga, a cinco pontos do FC Porto (2.º) e a sete do Sporting (1.º).

Na altura já muitos faziam o funeral às águias e o treinador era fortemente contestado. Mas as rondas 14 e 15 começaram a mudar o rumo dos acontecimentos, quando o Spor- ting começou por perder na deslocação ao campo do U. Madeira (jornada 14) e depois, imediatamente a seguir, o Benfica venceu em Guimarães (golo de Renato Sanches) e o FC Porto saiu derrotado de Alvalade (2-0), resultados que deixaram na altura os leões como líderes com mais quatro pontos do que as águias.

Daí até ao final, a equipa de Rui Vitória só perdeu pontos num jogo (precisamente na receção ao FC Porto, na Luz, derrota por 1-2), vencendo todos os restantes, com especial destaque para o triunfo por 1-0 em Alvalade (golo de Mitroglou), que acabaria por ser decisivo nas contas do título, pois o Benfica foi campeão com apenas dois pontos de vantagem sobre o Sporting de Jesus (88-86).

Nestas histórias de recuperações de desvantagens para o líder a determinada altura do campeonato, o Benfica foi também protagonista na temporada 2013-14, ainda na era de Jorge Jesus. À jornada oito, as águias estavam também a cinco pontos do FC Porto, mas nos 22 jogos que faltavam para concluir o campeonato conseguiram recuperar, terminando a época a celebrar o título com mais sete pontos do que o segundo classificado, o Sporting.

Outros campeões de reviravoltas

A história dos campeonatos desde 1995-96 (quando a vitória passou a valer três pontos) diz-nos que o FC Porto foi a única equipa a conseguir recuperar de uma desvantagem de cinco ou mais pontos a menos de 18 jornadas do final de um campeonato e a sagrar-se campeã. Mas, se tivermos como ponto de referência reviravoltas com mais tempo para serem operadas, no total foram oito os campeões capazes de recuperar cinco ou mais pontos. Ao caso já citado do FC Porto (2011-12) e aos dois do Benfica (2013-14 e 2015-16), há a acrescentar mais duas situações alcançadas pelos dragões - em 2005-06 e 2008--09 chegaram à nona jornada a cinco pontos dos líderes Sp. Braga e Leixões, respetivamente, e foram campeões.

Os dois últimos títulos do Sporting também foram alcançados depois de os leões terem começado mal o campeonato. Em 1999-00, à 10.ª jornada, estavam a cinco pontos do Benfica e acabaram campeões com quatro de avanço; e em 2001-02 chegaram a estar também com uma desvantagem de cinco pontos para o Boavista, à 11.ª ronda, e conquistaram o título com os mesmos cinco de vantagem sobre a equipa do Bessa.

Por falar em Boavista, as panteras também se inserem no lote dos campeões que recuperaram pontos ao líder e acabaram campeões. Foi em 2000-01, na temporada em que conquistaram o título inédito, quando à passagem da jornada 13 estavam a cinco pontos do FC Porto e acabaram por relegar os dragões para o segundo lugar no final do campeonato - foram campeões pela diferença de apenas um ponto.

O empate entre o Benfica e o Sporting, na Luz, anteontem, veio confirmar uma tendência única na história dos campeonatos nacionais: os últimos cinco clássicos terminaram todos empatados. A saga começou em abril de 2017, na Luz, quando o Benfica empatou a um golo com o FC Porto. Prosseguiu nesse mesmo mês com nova igualdade entre Sporting e Benfica, em Alvalade, também a um golo. Seguiram-se dois nulos num Sporting-FC Porto e num FC Porto-Benfica, em outubro e dezembro de 2017, e finalmente nova igualdade a um golo na quarta-feira entre os dois rivais de Lisboa.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG