Benfica cumpriu tarefa sem "espinhas" e aproveitou ajuda bávara para se apurar

Equipa de Jorge Jesus lambeu na Liga dos Campeões as feridas provocadas pelo dérbi com um triunfo fácil sobre o Dínamo Kiev, acabando em segundo e juntando-se ao Sporting no sorteio de Nyon.

Pela segunda vez na história, Portugal vai ter duas equipas nos oitavos de final de Liga dos Campeões. O Benfica juntou-se ao Sporting depois de conseguir uma vitória tranquila, em casa, frente ao Dínamo Kiev (2-0), ao mesmo tempo que, em Munique, o Bayern conseguia uma vitória previsível sobre o Barcelona (3-0), permitindo à equipa de Jorge Jesus subir ao segundo lugar do Grupo E e estar no presente no sorteio da próxima segunda em Nyon. Só em 2016/17 se tinha verificado essa situação, embora fosse então o FC Porto a fazer companhia aos encarnados.

Para o jogo desta quarta-feira, Jorge Jesus procedeu a três alterações em relação ao onze que perdeu o dérbi frente ao Sporting: Lazaro deu a sua vaga ao brasileiro Gilberto, o ucraniano Yaremchuk (formado no conjunto de Kiev) rendeu Darwin Núñez na frente de ataque e Pizzi tirou Everton da titularidade. Uma equipa que o técnico encarnado - cujo nome foi assobiado antes do pontapé de saída - já tinha utilizado na deslocação a Barcelona, na partida da quinta ronda, com exceção da última mudança: em Camp Nou, Cebolinha jogou de início, embora tenha dado lugar ao médio português na reta final do encontro. Do outro lado, Mircea Lucescu também fez algumas mudanças relativamente à partida perante o Bayern, destacando-se a titularidade de Garmash, autor do único golo do Dínamo até à partida da Luz.

Com um ambiente escaldante nas bancadas, o Benfica demorou 27 segundos até criar a primeira grande oportunidade de golo: Yaremchuk fez um túnel excelente a Syrota e rematou em arco com Bushchan a defender para a frente, onde Rafa Silva desperdiçou, de forma incrível, a recarga, chutando por cima da baliza. Mas se o falhanço do internaciona português foi incrível, a resposta ucraniana não lhe ficou atrás: aos oito minutos, Buyalskyy passou dois defesas do Benfica e, só com Vlachodimos pela frente tocou para o lado, onde Tsygankov só tinha de empurrar para a baliza deserta. Inexplicavelmente, aproveitou para dar a Jesus mais um falhanço incrível para o seu álbum de memórias, chutando sobre a trave... Com um início frenético de encontro, quase de seguida coube a Pizzi aproveitar um lance de Rafa Silva para rematar em posição frontal, mas o guardião do Dínamo afastou para canto.

Tudo resolvido num ápice

Com tantas ocasiões, ninguém estranhou que o golo surgisse cedo. Aos 16 minutos, na sequência de uma boa jogada de entendimento entre Rafa e João Mário, Yaremchuk não se fez rogado em aproveitar o centro atrasado do ex-leão, rematando de primeira de pé esquerdo, fazendo passar a bola entre o seu compatriota Bushchan e o poste naquele que foi o seu primeiro golo na prova pelos portugueses. E, aos 22, a vitória ficou quase assegurada, depois de Gilberto, isolado, aproveitar um mau corte adversário para marcar tranquilamente o segundo. A festa regressou às bancadas aos 34 minutos, desta vez graças a um golo apontado a cerca de 2500 quilómetros de distância, quando Thomas Müller colocou o Bayern em vantagem frente ao Barcelona... E com o segundo golo bávaro por Sané, aos 43 minutos, a qualificação benfiquista parecia estar mais que assegurada.

Com tudo mais ou menos definido, a segunda parte começou de forma bem menos interessante e o Benfica mais preocupado em segurar a vantagem do que em procurar fazer mais golos, o que permitiu à formação de Kiev algumas aproximações algo perigosas à baliza dos lisboetas. Jorge Jesus não gostou, os adeptos também não. Mas, se o Dínamo nunca tinha marcado na Luz, não foi nesta noite fria de dezembro de 2021 que o conseguiu, muito graças a Vlachodimos - o apuramento do Benfica estava selado, mesmo que a equipa continue a cometer erros e a correr riscos que, noutras circunstâncias, lhe podem ser fatais. Agora, Jorge Jesus bem pode ostentar a "medalha" de ter deixado do Barça fora da prova e ter a certeza que nos oitavos não vai voltar a apanhar o "papão amigo" Bayern.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG