Árbitro Luís Godinho ameaçado de morte após o Sp. Braga-FC Porto

O Conselho de Arbitragem da FPF já veio repudiar estas ameaças, e denunciou que os números de telefone dos árbitros voltaram a ser disponibilizados nas redes sociais.

O árbitro Luís Godinho recebeu ameaças de morte após o jogo das meias-finais da Taça de Portugal entre Sporting de Braga e FC Porto, disse esta qunta-feira à Lusa fonte do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol.

Fonte do Conselho de Arbitragem (CA) indicou que Luís Godinho e a sua família "receberam ameaças de morte durante toda a noite passada, logo após o jogo em Braga" e que as autoridades policiais foram de imediato avisadas e a viagem do árbitro de regresso a casa foi monitorizada pela polícia.

O árbitro fará agora participação junto das autoridades, para tentar encontrar os autores das ameaças, precisou a mesma fonte, que referiu ainda que o CA vai continuar a acompanhar de perto toda a situação.

Sporting de Braga e FC Porto empataram 1-1 na noite de quarta-feira, na primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal de futebol, num jogo em que os dragões acabaram com nove unidades.

O jogo ficou marcado pela grave lesão de David Carmo, lance que ditou a expulsão de Luís Díaz (70), numa decisão polémica de Luís Godinho, após visionar as imagens, que motivou fortes protestos dos portistas. Uma agressão de Uribe a Esgaio provocou a expulsão de Uribe (90+7), pelo que os portistas terminaram o jogo reduzidos a nove.

O Conselho de Arbitragem da FPF, entretanto, já veio repudiar estas ameaças, e denunciou que os números de telefone dos árbitros voltaram a ser disponibilizados nas redes sociais. Eis o comunicado na íntegra.

"O Conselho de Arbitragem foi informado pelo árbitro internacional Luís Godinho da existência de ameaças, que também foram feitas a familiares, no seguimento do jogo desta quarta-feira à noite, em Braga.

As ameaças recebidas estão a ser tratadas como algo extremamente grave.

Também nas últimas horas, voltaram a ser disponibilizados nas redes sociais os contactos telefónicos de árbitros, o que constitui um incitamento à violência e um insuportável atentado à privacidade e serenidade dos agentes de arbitragem.

O CA condena de forma veemente estas ameaças, que infelizmente não são uma novidade no futebol nacional, e deseja que as autoridades policiais sejam capazes de intervir e levar perante a justiça quem age desta forma vil.

Todos os clubes e agentes desportivos devem unir-se e repudiar, de forma inequívoca e firme, este tipo de ameaças. Estamos certos de que tal sucederá."

Após o encontro, o presidente do FC Porto, Pinto da Costa, deixou duras críticas à equipa de arbitragem, liderada por Luís Godinho.

"Em relação às mensagens que recebi, algumas durante o jogo, para que a equipa abandonasse o terreno do jogo perante o que se estava a passar, quero pedir a todos os associados do FC Porto que mantenham a serenidade porque ninguém nos verga! Não é desta forma, como tem vindo a acontecer em relação às arbitragens com o FC Porto, que nos vão vergar", afirmou numa declaração sem direito a perguntas na sala de imprensa do Estádio Municipal de Braga.

Pinto da Costa disse querer "apenas falar em factos, não em intenções" e lembrou que o videoárbitro (VAR) do jogo, Hugo Miguel, foi o mesmo do FC Porto - Benfica que, "quando foi mostrado um cartão amarelo a Taremi interveio para pedir um vermelho".

"Mas todas as agressões que existiram nesse jogo, que já mostrámos e vamos voltar a mostrar, não chamou a atenção para nenhuma. Hoje [quarta-feira], voltou a chamar a atenção para um lance perfeitamente casual [lance entre Luís Díaz e David Carmo que ditou a lesão do central do Braga], mas não chamou para jogadas bem mais perigosas", disse.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG