Jogos Olímpicos querem adoptar tolerância zero às seringas

O Comité Olímpico Internacional (COI) poderá impor nos Jogos de Londres 2012 a mesma política já adoptada pelo ciclismo e pelo remo: usar seringas ou outro material de injecção em actos médicos só para situações urgentes ou inevitáveis. De resto, será seguida uma política de tolerância zero, defendendo uma "mensagem de boas práticas médicas" e combatendo a banalização destes actos clínicos e a deriva para o doping.

"Nós queremos enviar uma mensagem dizendo: 'Comportem-se de maneira apropriada no que respeita aos tratamentos médicos'", afirmou Arne Ljungqvist, presidente da comissão médica do COI, vincando que o material usado para infiltrações e outro tipo de injecções nem sempre necessárias "dá uma má imagem do desporto" e pode vir a ser usado para injectar dopantes.

A medida foi aprovada numa reunião recente do COI, em Durban, África do Sul. Ljungqvist não deu detalhes, mas adiantou que poderá vir a ser proibido o uso de material de injecção nas instalações olímpicas e em "outros lugares não apropriados" durante os Jogos Olímpicos. "Não queremos que os tratamentos sejam administrados em qualquer lugar ou por qualquer pessoa. Evidentemente que o médico tem o direito a tratar um atleta da forma que ele considere necessário, mas queremos ser informados disso", afirmou o sueco.

O responsável do COI não quis adiantar que sanções poderão vir a ser adoptadas em caso de infracção, mas fez uma extrapolação para o que acontece em violações das regras antidopagem, que podem levar à retirada da acreditação olímpica ou uma investigação por parte da respectiva federação desportiva internacional.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG