"2016 foi o ponto de viragem na natação portuguesa"

Entrevista ao presidente da Federação Portuguesa de Natação, António José Silva

O que será um bom Mundial para a natação portuguesa?

Pela primeira vez temos cinco atletas (dos sete totais) com mínimos A e as expectativas são melhorar os tempos pessoais, o que significa recordes nacionais e tentar o acesso a meias-finais ou finais. Essa é a cultura de exigência que impomos aos atletas. Os objetivos já não passam apenas por participar.

O Alexis Santos é a maior aposta?

É o que tem melhores perspetivas para lutar por lugares nas meias-finais ou até final. Mas também a Victoria Kaminskaya, a Tamila Holub e o Miguel Nascimento podem ter expectativas.

Essa tal cultura de exigência de que falava já tem dado resultados?

Sim, tivemos o exemplo do Alexis no ano passado, que conseguiu duas meias-finais olímpicas, o que já não acontecia há 28 anos. E agora temos esse objetivo definido para este ciclo olímpico, que é conseguir uma final.

Que importância terão os novos projetos de centros de alto rendimento, a partir de setembro, para esses objetivos?

Muita. Esses dois novos projetos, um em Coimbra e outro em Lisboa (Jamor), vão estender o acompanhamento dos atletas ao ensino superior. Temos orgulho em ser a primeira federação a estabelecer este protocolo que permite a aplicação das carreiras duais e oferecer condições ótimas para os atletas conciliarem os estudos superiores com a carreira de alta competição. Vai permitir o salto qualitativo que falta.

Estes mundiais marcam então um ponto de viragem na natação portuguesa?

Acho que o ponto de viragem já foi em 2016, com o pódio no Europeu [Alexis Santos, bronze em 200 estilos], que já não se conseguia há 31 anos, e meias-finais olímpicas [também por Alexis], que não se atingiam há 28, desde o Yokochi. O ponto de viragem começou aí. Agora é dar as melhores condições para ter sequência.

Não ter um finalista olímpico em 2020 será uma desilusão?

Sim, não chegar a uma final olímpica em Tóquio 2020 seria uma grande desilusão.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG