Opinião

Eduardo Cabrita

Defender a Europa da liberdade, da segurança e da justiça em tempo de pandemia

A presidência portuguesa do Conselho Europeu no primeiro semestre de 2021 decorre em circunstâncias imprevistas e absolutamente excecionais. A dimensão da incidência da pandemia global de covid-19 (cem milhões de infetados a nível mundial e cerca de 30 milhões na Europa) constitui, desde março passado, um desafio sem precedentes à capacidade de resposta coordenada das instituições europeias e dos Estados membros e à salvaguarda dos valores essenciais da democracia e dos direitos humanos num quadro generalizado de restrições à liberdade de circulação, entre outros direitos fundamentais, de reposição de controlos internos e de imposição de fortíssimas restrições nas fronteiras externas.

Eduardo Cabrita

João Almeida Moreira

Prioridade: ricos e poderosos

Batizado provavelmente em homenagem a Randolph Scott, ator de westerns dos anos 50, o secretário de Saúde Randolph Scoot, de Serra do Navio, município de 5000 habitantes do Amapá, desdenhava, como tantos brasileiros alimentados pelas "notícias" de WhatsApp editadas pelos filhos de Bolsonaro, da vacina Coronavac, por ser fabricada na China comunista e por ter sido desenvolvida em São Paulo, o palco de João Doria, governador do estado e principal rival do presidente.

João Almeida Moreira

Mais atualidade

Rute Agulhas

Como contrariar a fadiga pandémica que sentimos?

Estamos há quase um ano a viver uma realidade que, numa fase inicial, e por ser uma situação nova e desconhecida, potenciou elevada ansiedade, medo e incerteza. Era uma situação estranha que nos obrigou a todos a alterar de forma drástica os nossos hábitos e comportamentos, na esfera pública e privada. Aprendemos a controlar o impulso de correr para abraçar alguém, a manter distância física e a diversificar as formas de comunicação. Aprendemos ainda a trabalhar de pantufas e a substituir o contacto visual pelos quadradinhos no ecrã do computador.

Rute Agulhas

Afonso Camões

Marcelo e a espada de Eanes

Ainda bem. E que o Senhor o acrescente!, diria a minha sogra da reeleição de Marcelo. Eu acrescento que, por mais que festejemos um e justifiquemos os outros, o problema é o outro - ou pior, são outros. Um é aquele que multiplicou por sete o número de votos arrebanhados à esquerda e à direita, resultado da incapacidade do sistema para responder às chagas dos nossos dias: desemprego, medo, miséria, fome, doença - o calvário de gente, muita gente, gente nossa, com rosto, o da desigualdade persistente, que gera populismos, violência e ódio. Em jogo, diante de nós, encontram-se duas lógicas: a dos partidos tradicionais e a da sociedade. As eleições de domingo demonstraram que elas deixaram de coincidir.

Afonso Camões

Desporto

  • Classificações
  • A Jornada
  • Resultados

V Digital

António Saraiva, presidente da CIP

"Já perdemos cerca de 200 mil empregos. Receio que este número dobre"

António Saraiva lidera a CIP, Confederação Empresarial de Portugal, há mais de uma década. Aquele a quem chamam o patrão dos patrões representa grande parte do tecido empresarial na concertação social. Alerta para lentidão e burocracia dos apoios e até sugere, para deixarmos de correr atrás do prejuízo, um Simplex Covid. Teme o fim das moratórias em setembro e lamenta que a vacinação não seja mais rápida para ganhar confiança.