The Cure terminam novo álbum em dez anos. A tempo do concerto em Lisboa

Robert Smith, o icónico vocalista da banda britânica, confirmou que o grupo finalizou o seu primeiro álbum de originais em dez anos, depois de "4:13 Dream". Em julho passam por Lisboa com as novas canções na bagagem.

Com passagem marcada para Lisboa, em 11 de julho, os Cure chegam ao palco do Nos Alive com um novo álbum na bagagem. Robert Smith, o icónico vocalista da banda britânica, confirmou que o grupo finalizou o seu primeiro álbum de originais em dez anos, depois de 4:13 Dream (lançado em 27 de outubro de 2008).

No ano em que os Cure comemoram os 40 anos da sua estreia em disco, com Three Imaginary Boys, com uma intensa agenda que passa por alguns dos principais festivais de verão, Smith explicou aos microfones do programa John Maytham Show , da Cape Talk, que estiveram a trabalhar em novas canções. Só não disse para quando está previsto o novo disco.

"Acabei de gravar um novo álbum pela primeira vez em 10 anos", disse, citado pelo site especializado The Line of Best Fit. Com o processo de gravação concluído, Smith deixou uma certeza: "Ainda estou a fazer isto pelas razões certas."

Esta quinta-feira, na Cidade do Cabo, África do Sul, a banda arranca com a sua digressão mundial, que os levará em maio - já depois de soprarem as 40 velas do primeiro álbum, no dia 8 - a quatro noites na Opera House de Sydney, na Austrália, e ao castelo de Malahide, em Dublin, para além de festivais na Áustria, Itália, Alemanha, Croácia, Bélgica, em junho, mês que fecham como cabeças-de-cartaz em Glastonbury.

Julho assinala passagens pela Sérvia, Dinamarca, Portugal, Espanha, Grécia, República Checa, Roménia e, por fim, Japão. Para agosto, a digressão dos Cure vai à Rússia, Noruega, Suécia, Finlândia, Escócia e França, onde está marcado o último concerto (para já).

Em dezembro passado, Smith já tinha antecipado que estava "inspirado" para trabalhar em originais. Depois de ter sido o curador de um festival de novas bandas, o Meltdown, em Londres, Smith sentia-se entusiasmado. "Ver todas aquelas novas bandas... Eu ouvi alguns destes grupos e conheci muitos deles e senti-me como que inspirado para fazer algo novo. É muito emocionante para todos nós."

Mais Notícias

Outras Notícias GMG