Morreu Diana Rigg, de "Os Vingadores" e "Guerra dos Tronos"

Mrs. Peel da série britânica "Os Vingadores" e Olenna Tyrell de "Guerra dos Tronos", a atriz Diana Rigg morreu esta quinta-feira, aos 82 anos.

"Morreu tranquilamente esta manhã. Estava em casa com a família, que pediu privacidade nestes momento difícil", confirmou o agente da atriz britânica, de 82 anos. Dame Diana Rigg foi vítima de uma cancro, confirmou a filha, citada pelo The New York Times.

Na sua carreira de quase 50 anos Diana Rigg passou pelo palco, pela televisão e pelo cinema, marcando sucessivas gerações de espectadores.

Em Portugal, a geração de 70 conheceu-a no papel de Emma Peel, a enigmática agente que fazia dupla com Mr. Steed Patrick Macnee, em "Os Vingadores", gravada de 1961 a 1969. O êxito da série abriu-lhe as portas do cinema.

Em "007 - Ao Serviço de Sua Majestade" interpretou o papel de Tracy, a única Bond Girl que levou James Bond ao altar (apesar do casamento de pouca duração). Já no século XXI, interpretou o papel de Olenna Tyrell na série "Guerra dos Tronos", uma das mais premiadas de sempre.

Além destes papeis, os mais marcantes da sua carreira, interpretou o papel de Duquesa de Buccleuch na série "Victoria" e "Mrs Pumphrey" na adaptação de "All Creatures Great and Small (Channel 5).

Símbolo feminista e Bond Girl

Enid Diana Elizabeth Rigg nasceu a 20 de julho de 1938 em Doncaster. Mudou-se, bebé, para a Índia. O pai, engenheiro ferroviário, trabalhava para o Marajá de Birkaner. O hindi era a sua segunda língua. Voltaria à Inglaterra após a guerra e em Yorkshire frequentou um colégio interno. "Sentia-me como peixe fora de água", contou, citada pela BBC.

Após os estudos de representação na Royal Academy of Dramatic Art, estreou-se como atriz em The Caucasian Chalk Circle, de Bertold Brecht, em 1957. Acabaria por se juntar à Royal Shakespeare Company, onde interpretou vários papéis.

Entrou na série "Os Vingadores" aos 26 anos quando a máquina já estava em movimento. Honor Blackman, a primeira a fazer dupla com Mr. Steed, deixou a série pelo papel de Pussy Galore em 007- Goldfinger, tinha sido escolhida a atriz Elizabeth Shepherd, mas Diana Rigg acabaria por ficar com o lugar e os admiradores. Atlética, sarcástica e perspicaz, Emma Peel criou um estilo que inspirou criadores de moda e que se perpetuou para lá da série. "Ela sobressaiu entre todas", disse, sobre Diana Rigg o produtor Brian Clemens. O sucesso foi imediato.

Se a estética psicadélica de "Os Vingadores" marcou uma época - o suficiente para continuar a ser exibida na televisão portuguesa mais de uma década depois da estreia na televisão britânica - o desempenho de Diana Rigg como Emma Peel tornou-a um símbolo da luta feminista, como nota a BBC.

Nos bastidores, aliás, travava-se um debate pela igualdade. Diana Rigg insistiu em ser aumentada antes de gravar mais episódios quando percebeu que recebia menos do que os operadores de câmara.

O papel seria uma marco na carreira de Diana Rigg, apesar de ter interpretado o papel em "Os Vingadores" apenas durante dois anos (e de o ter acumulado com várias peças na companhia de Shakespeare). E acabaria por seguir o mesmo trajeto que Honor Blackman, aceitando o papel de Bond Girl ao lado de George Lazenby (e com quem tinha uma relação tensa).

Casou-se duas vezes. A primeira com o artista israelita Menachem Gueffen (1973-1976), a segunda com Archibald Stirling, empresário e produtor de teatro, com quem teve a única filha, Rachel, também atriz.

Protagonista de várias peças de teatro, tanto em Londres como em Nova Iorque, de televisão e do cinema, foi distinguida com um Tony, um BAFTA e nomeada para um Emmy pelo seu desempenho como Olenna Tyrell em "Guerra dos Tronos":. A rainha Isabel II condecorou-a.

Mais Notícias