Mandado de prisão para Marilyn Manson por acusações de agressão

Caso está relacionado com um agressão a um produtor de vídeos durante um concerto em 2019.

A polícia do estado americano de New Hampshire, Nova Inglaterra, emitiu um mandado de prisão contra o cantor Marilyn Manson relacionado com acusações de agressão.

Marilyn Manson, de 52 anos, é acusado de "agressão simples " envolvendo um produtor de vídeos durante um concerto em Gilford em 2019.

Em comunicado, a polícia disse que o cantor e os seus agentes "já têm conhecimento do mandato há algum tempo". Mas Marilyn Manson não fez nenhum esforço para responder às acusações, disse a polícia.

O departamento da polícia de Gilford diz que cada acusação acarreta uma possível sentença de prisão de menos de um ano e uma multa de até 1630 euros (2000 dólares).

A polícia acrescentou que as alegadas agressões "não são de natureza sexual".

Marilyn Manson, cujo verdadeiro nome é Brian Hugh Warner, até agora não fez comentários públicos sobre o assunto.

No início deste mês soube-se também que a ex-assistente de Marilyn Manson, Ashley Walters, está a processar o cantor por alegada agressão sexual.

A equipa de advogados de Ashley Walters registou uma reclamação na Califórnia. A equipa alegou que o cantor era um chefe assustador e violento, que disse aos amigos que podiam tocar e beijar Ashley Walters, e obrigou-a a trabalhar durante 48 horas seguidas.

A equipa de Marilyn Manson "negou veementemente qualquer acusação de agressão".

Em fevereiro o cantor foi dispensado pela sua produtora, a Loma Vista Recordings, após acusações da atriz Evan Rachel Wood de que foi "terrivelmente abusada" pelo artista.

Marilyn Manson negou as acusações, ao dizer que são "horríveis distorções da realidade".

Mais Notícias

Outras Notícias GMG