Exclusivo Juan Luis Arsuaga: "Não sou o professor que vem com respostas mas com perguntas"

Após ter descoberto os fósseis humanos mais antigos há quatro décadas, o paleontólogo Juan Luis Arsuaga continua a levantar questões para se compreender a evolução da humanidade. No seu livro, não faltam muitas perguntas que obrigam o leitor a procurar, também, dar-lhes respostas. Tal como nas investigações de Robert Macfarlane ou Michael Shellenberger.

"Quando os que investigam não tem perguntas então deve-se questionar o que fazem." O paleontólogo espanhol Juan Luis Arsuaga faz esta declaração ao lado do livro que veio lançar recentemente em Portugal, Vida, A Grande História, e sobre o qual afirma: "Está aqui toda a minha carreira científica e de investigação. Quando comecei pensava que um dia seria um Einstein da paleontologia mas, fazendo tudo o que pude, só cheguei até aqui, àquilo que está neste livro."

Juan Luis Arsuaga parece tímido, mesmo que o público que o ouve não o assuste como se verá pela amplitude da sua intervenção e ainda menos retraído fica quando relata o que passou a livro das suas teorias sobre a evolução do Homem. Há capítulos que questionam qualquer leitor, por pouco que perceba do tema que atravessa estas cerca de seiscentas páginas onde faz "uma viagem pelo labirinto da evolução". Não foi por acaso que a sessão decorreu numa sala do Museu Nacional de Arqueologia, no interior do Mosteiro dos Jerónimos, pois muita da sua narrativa científica está ali refletida. Designadamente na exposição Ídolos - Olhares Milenares, que exibe os antepassados ibéricos em todas as suas manifestações.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG