Femme nue Couchée, de Picasso, vendida por 64 milhões de euros

Leilão contou com sete peças de Picasso, e obras de Monet, Cézanne e Gauguin, entre outros, atingindo mais de 388 milhões de euros.

Um leilão de arte moderna na Sotheby's em Nova Iorque, na última terça-feira (17), atingiu um valor superior a 388 milhões de euros, por obras de artistas como Picasso, Monet, Dalí, Renoir, Magritte e Gauguin.

Dez obras foram vendidas por mais de 9 milhões de euros cada, num leilão transmitido ao vivo via Instagram, atraindo quase vinte mil espetadores.

Femme nue Couchée, de Pablo Picasso - uma representação sensual da musa e amante do artista, Marie-Thérèse Walter, como uma criatura marinha de vários membros -, foi vendida por 64,29 milhões de euros. Foi um dos preços mais altos já alcançados por um retrato de Walter, cuja relação com Picasso começou quando ela tinha 17 anos, avança o The Guardian.

Brooke Lampley, presidente e chefe de vendas globais de belas artes da Sotheby's, afirmou que a pintura de 1932 era "uma ode profundamente lírica ao desejo desenfreado do artista por Marie-Thérèse; com seus membros em forma de barbatana e infinitamente flexíveis, o retrato continua a encantar, pois captura perfeitamente a musa de Picasso como a expressão máxima do seu génio".

Além da peça que retrata a sua musa, foram vendidas outras seis obras de Picasso, incluindo L'Étreinte, obra que retrata um homem e uma mulher abraçados num quarto, por 13,43 milhões de euros.

Le Grand Canal et Santa Maria della Salute, de Claude Monet, concluído em 1908, tornou-se a vista mais valiosa de Veneza do artista vendida em leilão quando atingiu os 53,91 milhões.

Clairière, de Paul Cézanne, que arrecadou quase 40 milhões de euros, foi uma das três pinturas impressionistas clássicas vendidas pelo Museu de Arte de Toledo neste leilão, para arrecadar uma verba destinada a financiar aquisições de arte. Os outros foram Nu s'essuyant, de Pierre-Auguste Renoir, e Fleurs ou Fleurs Devant un Portrait, de Henri Matisse.

Um terço das obras à venda não eram leiloadas há pelo menos 20 anos. A Sotheby's disse que os colecionadores da Ásia estiveram muito ativos nas licitações, uma marca registada dos recentes leilões de alto nível.

Helena Newman, diretora mundial de arte impressionista e moderna da Sotheby's, disse que as vendas totais do leilão - o terceiro mais valioso da história da casa de leilões - foram "testemunho da procura duradoura por obras impressionistas e modernas clássicas dos nossos colecionadores globais".

"Vimos preços altos em todos os setores para obras de gigantes da arte moderna, de Monet e Cézanne a Modigliani, Matisse, Picasso, Giacometti e de Kooning - um testemunho da reputação contínua desse período artístico no mercado internacional", acrescenta Newman.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG