Estreia de "Joker" deixa autoridades americanas em alerta sobre possíveis atentados

Exército americano e polícia de Los Angeles vão vigiar salas de cinema não só por causa do atentado ocorrido em Aurora, em 2012, na estreia de "Batman", mas também devido ao tema deste "Joker". Proibidas máscaras e caras pintadas

20 de julho de 2012: na estreia do filme The Dark Knight Rises (O Cavaleiro das Trevas Renasce), um homem lançou gás lacrimogéneo e disparou com armas de fogo contra as pessoas que estavam na sessão da meia-noite do cinema Century 16 em Aurora, Colorado, EUA. 12 pessoas foram mortas e 70 ficaram feridas.

O atirador, James Eagan Homes, na altura com 24 anos, era fã dos filmes de Batman, no entanto não apresentou qualquer explicação para ter realizado o ataque durante este filme. Tinha considerado outros locais mas acabou por escolher o cinema, por questões práticas. "O terrorismo não é uma mensagem. A mensagem é que não há mensagem", escreveu na altura.

Apesar destes factos, a polícia de Los Angeles e o exército americano já anunciaram que vão estar em alerta esta semana devido à estreia do filme Joker. O filme realizado por Todd Philips e protagonizado por Joaquin Phoenix tem ante-estreia na quarta-feira nos Estados Unidos e chega no dia seguinte aos cinema de todo mundo. Além de se tratar de uma nova incursão no universo de Batman, o próprio filme tem uma temática bastante negra: conta a história de um comediante que decide passar a dedicar-se ao crime, tornando-se um psicopata e um perigo para a sociedade.

O departamento de polícia de Los Angeles anunciou que a presença dos agentes nas salas de cinema vai ser "bastante visível": "Incentivamos todas as pessoas a saírem de casa e aproveitarem todas as atividades de lazer da cidade. No entanto, devem permanecer vigilantes e atentos. Como sempre, se virem algo suspeito, avisem", pede a polícia aos habitantes de Los Angeles.

Entretanto, e também por motivos de segurança, a cadeia Landmark Theatres, que detém 52 cinemas em 27 locais, proibiu o uso de máscaras, caras pintadas e outros brinquedos em todas as sessões de Joker.

Esta semana, um grupo de familiares e amigos de vítimas do tiroteio de Aurora enviou uma carta ao CEO da Warner Brothers, distribuidora de Joker, pedindo-lhe que "use a sua influência e se junte a nós na nossa luta para construir comunidades mais seguras e com menos armas".

Em comunicado, a Warner respondeu: "A violência armada na nossa sociedade é uma questão crítica e estendemos a nossa mais profunda simpatia a todas as vítimas e famílias afetadas por essa tragédia. A nossa empresa tem uma longa história de doações para vítimas de violência, incluindo Aurora, e nas últimas semanas juntou-se a outras empresas para pedir aos legisladores que aprovem leis que ponham fim a essa epidemia."

A distribuidora deixou ainda uma mensagem sobre o filme: "A Warner Bros. acredita que uma das funções da ficção é provocar conversas difíceis em torno de assuntos complexos. Não se iludam: nem a personagem fictícia Joker nem o filme são um incentivo a qualquer tipo de violência no mundo real. Não é intenção do filme, dos seus criadores ou do estúdio, transformar esta personagem num herói."

Mais Notícias

Outras Notícias GMG