DocLisboa altera programação e coloca-a online

O festival de cinema DocLisboa, que tinha sido dividido em módulos para se ajustar ao contexto da covid-19, voltou a sofrer alterações, com adiamento de programação e colocação de filmes online.

"Porque o festival mantém o compromisso de promover um olhar e debate atentos em torno do cinema", o DocLisboa propõe, em alternativa, um ciclo de filmes e conversas online a partir da programação desenhada em janeiro e fevereiro", indica a organização em comunicado.

As sessões decorrerão na página do festival, em doclisboa.org, entre 18 de fevereiro e 3 de março, e os bilhetes podem ser comprados individualmente, por sessão, ou em formato de passe para cada semana.

Entre os filmes a colocar digitalmente estão Radio Silence, de Juliana Fanjul, The Exit of the Trains, de Radu Jude e Adrian Cioflanca, Downstream to Kinshasa, de Dieudo Hamadi, e Antena da Raça, de Paloma Rocha e Luís Abramo.

A 18.ª edição do DocLisboa começou em outubro, mas a direção decidiu desdobrar a programação por vários módulos mensais até março, em resposta a um ano que foi "abalroado por uma pandemia", como justificaram na altura.

"Quando subitamente 2020 é abalroado por uma pandemia que obriga ao confinamento e ao isolamento social, sentimos que espaços democráticos de discussão coletiva seriam fundamentais. O Doclisboa teria de contribuir para a reconstrução e para o fortalecimento social", sustentava o festival.

O festival abriu na Culturgest com o filme Nheengatu - A Língua da Amazónia, coprodução luso-brasileira, do realizador José Barahona.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG