Poderá demorar um ano a investigação às causas da queda do avião espacial

A Virgin Galactic pode continuar a realizar testes. Richard Branson espera que o problema que provocou a queda tenha solução e que dentro de quatro a seis meses o projeto esteja num bom caminho.

O responsável pela investigação da queda da SpaceShipTwo alertou só dentro de um ano esta poderá estar concluída. Christopher Hart, líder da agência de segurança nos transportes americana (NTSB, sigla em inglês), explicou numa conferência de imprensa que os dados do voo de testes estão "pormenorizadamente documentados" e que a sua equipa terá frente uma longa maratona para examinar toda a essa documentação da Virgin Galactic.

Para já, estão a recolher provas no local da queda, no deserto Mojave (Califórnia). Os destroços do avião espacial estão espalhados numa área de oito quilómetros e as autoridades estão a ter cuidados extras devido ao receio que alguns dos componentes possam ser explosivos. A investigação no deserto deverá durar entre quatro a sete dias, segundo Christopher Hart.

A SpaceShipTwo transportava seis câmaras, mas não se sabe se estas foram encontradas.

Entretanto, Richard Branson confessou à BBC que o acidente "é um enorme revés" no seu projeto de turismo espacial. Salientou que só se saberá se o seu sonho poderá terminar quando se souber quais as causas. O magnata britânico afirmou que se for um problema que possa ser solucionado, então espera que entre quatro a seis meses o projeto esteja novamente no caminho certo. Mas caso não seja, poderá ser o fim do turismo espacial.

Richard Branson referiu ainda que o início das viagens aéreas também não foi fácil e que hoje viajar de avião é uma das formas mais seguras, esperando que ir ao espaço, possa ser algo em que as pessoas se sintam à vontade.

700 passageiros já marcaram o seu lugar na Virgin Galactic, muitos deles figuras públicas, sendo que o objetivo era a primeira viagem realizar-se já no próximo ano.

Piloto que morreu era pai de duas crianças

Michael Alsbury era um dos dois pilotos que estava na SpaceShipTwo quando esta explodiu em pleno voo devido a uma anomalia. Tinha 39 anos e piloto há 15. Era casado e pai de duas crianças. Tal como o colega Peter Siebold (piloto que sobreviveu ao acidente), Alsbury trabalhava para a Scaled Composites que está a preparar a aeronave para tornar uma realidade o turismo espacial.

No seu blog Richard Branson escreveu que não conhecia o piloto, mas que teve o "privilégio de lhe dar um aperto de mão" após um dos voos de teste do avião. Desejou ainda as rápidas melhoras a Peter Siebold, que está no hospital e, segundo a empresa Scaled Composites, consegue falar com a família e com os médicos. Quando os clínicos derem autorização, o piloto de 43 anos (com licença de pilotagem desde os 16) será interrogado pelas autoridades que estão a investigar o acidente de sexta-feira.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG