Novo dinossauro com asas desafia origem das aves

Fóssil de um pequeno dinossauro, que lembra um pássaro, do período jurássico foi encontrado no nordeste da China por uma equipa internacional de paleontólogos. A descoberta desafia as teorias amplamente aceitas no meio científico sobre a evolução das aves.

Uma criatura emplumada, com 30 centímetros de comprimento, foi descrita no estudo liderado por Gareth Dyke, investigador da Universidade de Southampton, Inglaterra. A nova espécie com asas é anterior a dinossauros parecidos, a partir dos quais se pensava que os pássaros tinham evoluído.

Os paleontólogos acreditam há muito tempo que as aves evoluíram a partir de um grupo de dinossauros chamado Terópoda, que eram bípedes e alimentavam-se tanto de outros animais como de vegetais. Esse grupo viveu no período Cretáceo Inferior, entre 120 e 130 milhões de anos atrás.

As recentes descobertas sobre dinossauros com penas mais antigos, que datam do final do período Jurássico Médio, há mais de 160 milhões de anos, reforçam a teoria, por um lado, mas podem obrigar a ajustá-la relativamente ao período em que as primeiras espécies do género apareceram.

O novo 'dinossauro-pássaro', descrito no artigo publicado na Nature Communications desta semana, foi batizado Eosinopteryx. Os cientistas encontraram novas evidências sobre a evolução dos pássaros.

"Esta descoberta lança mais dúvidas sobre a teoria de que o famoso fóssil de Archaeopteryx - ou 'primeiro pássaro', como é referido às vezes - foi fundamental na evolução das aves modernas", disse Dyke, segundo comunicado da Universidade de Southampton. "As nossas descobertas sugerem que a origem do voo foi muito mais complexa do que se pensava", concluiu.

No entanto, mesmo com asas, a nova espécie de dinossauro não podia voar. Os fósseis, que permanecem na China, indicam que o animal possuía uma envergadura pequena e uma estrutura óssea que restringia sua capacidade de bater as asas. Os seus hábitos terrestres são patentes no facto de os seus dedos serem adequados para caminhar e existirem poucas penas na cauda e nas pernas, o que facilitava sua locomoção rápida.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG