Buraco negro supermassivo em movimento

Estudo dirigido pelo Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian identificou "o caso mais claro até à data" de um buraco negro supermassivo em movimento, um fenómeno ainda sem explicação.

Os buracos negros supermassivos parecem estar imóveis no centro das galáxias, mas os cientistas admitem que também possam deambular pelo espaço, como faz um localizado a 230 milhões de anos-luz da Terra, agora identificado.

Um estudo dirigido pelo Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian identificou "o caso mais claro até à data" de um buraco negro supermassivo em movimento, mas com os cientistas a ignorarem o motivo nem terem teorias explicativas, segundo publicou o Astrophysical Journal.

O buraco negro "errante" está a 230 milhões de anos-luz da Terra, a sua massa é cerca de tês milhões de vezes a do Sol e está na galáxia designada J0437+2456.

O diretor do estudo, Dominic Pesce, do Harvard-Smithsonian, assinalou que não se espera que "a maioria dos buracos negros supermassivos se movam, normalmente ficam quietos".

A equipa esteve cinco anos a trabalhar para conseguir observar esta rara ocorrência de movimento, para o que compararam as velocidades de dez buracos negros supermassivos e as das suas galáxias.

A investigação centrou-se em buracos negros que contêm água nos seus discos de acreção, as estruturas em espiral que giram até ao interior do buraco negro.

O centro de investigação explica, em comunicado, que quando a água órbita um buraco negro, produz um feixe de luz de rádio similar a um laser, conhecido como maser.

Quando se estudam com uma rede combinada de antenas de radio utilizando una técnica conhecida como interferometria de linha de base muito larga, os maseres podem ajudar a medir a velocidade de um buraco negro com muita precisão.

Esta técnica serviu para determinar que nove dos dez buracos negros estavam parados, mas um parecia estar em movimento.

A equipa de investigação considerou que são necessárias mais observações para determinar a verdadeira causa do movimento raro deste buraco negro supermassivo.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG