Trotinetes e bicicletas no passeio pagam multa a partir de hoje

Junta de freguesia vai aplicar coimas de 60 a 300 euros, mais uma taxa de 31,90 euros por cada veículo removido.

O estacionamento indevido de trotinetes, bicicletas ou segways nos passeios, em bairros como Alfama, Mouraria ou Castelo, vai sair caro às entidades detentoras destes veículos. A partir de hoje, a freguesia de Santa Maria Maior passa a remover e multar os equipamentos que estejam estacionados no passeio a impedir a circulação pedonal. A coima vai dos 60 aos 300 euros, mas o custo não se fica por aí: a junta prepara-se para cobrar 31,90 euros por cada veículo mal estacionado, a título de taxa de remoção, transporte e armazenagem até 30 dias. A partir deste período é cobrado um montante adicional de 67 cêntimos por cada dia que permaneçam nos armazéns da junta, de acordo com o regulamento de taxas que já foi aprovado e publicado.

A remoção de trotinetes do espaço público, quando constituam um "impedimento ou perigo óbvio" à circulação dos peões, já começou a ser feita durante o mês de junho pelos serviços da junta, mas ainda sem dar lugar à aplicação de multas, dado que o regulamento que o permite ainda não estava a vigor. Passa a vigorar a partir desta segunda-feira, mantendo-se até 2021.

"Compete à Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, sem prejuízo das demais entidades, a fiscalização das regras estabelecidas no regulamento, podendo remover, transportar e armazenar os equipamentos, sendo os encargos suportados pela entidade responsável", anunciou a junta, em comunicado, há pouco mais de uma semana.

A medida não foi bem recebida pela Câmara de Lisboa que, pela voz do vereador da mobilidade, veio defender que a junta não tem competências para assumir esta medida. "As entidades competentes para fiscalizar o Código da Estrada são a Câmara Municipal de Lisboa e as forças de autoridade: Polícia Municipal, PSP e EMEL, que tem essa competência delegada", afirmou à Lusa Miguel Gaspar.

Mas o desagrado da autarquia não desarma o presidente de Santa Maria Maior, o socialista Miguel Coelho. "Isto não conflitua com o Código da Estrada, é espaço pedonal, não é espaço rodoviário", disse ao DN fonte oficial da junta. A mesma fonte sublinha que a remoção dos veículos se aplicará àqueles que manifestamente estiverem a impedir a circulação pedonal, ou que representem perigo para as pessoas. Uma trotinete ou bicicleta que esteja estacionada no passeio, mas encostada num espaço que não incomode, não será removida.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG