Sessão de cinema recorda o rock que passou por Coimbra

A sessão de cinema "As Bandas Rock de Coimbra", no mini-auditório Salgado Zenha, no edifício da Associação Académica de Coimbra (AAC), vai relembrar na quinta-feira o panorama musical da cidade na década de 1990.

A sessão irá contar com a exibição de três documentários focados na música de Coimbra: "Filhos do Tédio", de Rita Alcaire e Rodrigo Lacerda, que recorda os mais de 10 anos de vida da banda Tédio Boys, "Breve História do Rock de Coimbra", dos mesmos realizadores, e "Rockumentário", de Sandra Castiço, que recai sobre a banda Bunnyranch.

No final da exibição dos documentários, vai decorrer uma "master session", em que se irá conversar sobre as bandas dos anos 1990 em Coimbra.

A "master session" vai ser moderada por Fausto da Silva, locutor da Rádio Universidade de Coimbra, e conta com a participação de Carlos Dias, da banda Subway Riders, Victor Torpedo, dos projetos Tédio Boys e The Parkinsons, e Tracy Vandal, vocalista dos Tiguana Bibles.

Fausto da Silva contou à agência Lusa que a "década de 90 é capaz de ser a década mais rock da cidade", considerando que a própria história do rock em Coimbra, e mais precisamente da banda Tédio Boys, mistura-se "com a história da cidade nos anos 1990".

Para o locutor do programa de música nacional "Santos da Casa", os "Tédio Boys recolocaram Coimbra no mapa da música em Portugal", frisando que muitos nomes acabaram por surgir partindo daquele quinteto - entre eles o mais evidente será Legendary Tigerman, projeto de Paulo Furtado.

Fausto da Silva não pode prever qual o rumo que a conversa irá tomar. Contudo, os intervenientes poderão falar de momentos que os documentários lhes possam recordar, quer de concertos e episódios singulares, quer de espaços como o "célebre café Moçambique" ou "a Cave das Químicas, onde num parque de estacionamento subterrâneo, sem condições, havia concertos com mil pessoas a assistir".

A sessão está incorporada dentro do ciclo de cinema "20 anos de Cinema Português", organizado pelo Centro de Estudos Cinematográficos da AAC, sendo escolhidos filmes que passaram nas últimas 19 edições do Festival Caminhos do Cinema Português, que este ano não se realiza devido a falta de verbas.

"A nossa ideia é puxar um bocadinho pelas pessoas da cidade, puxar pelo gosto do cinema português e recordar os bons tempos da cidade", explicou Catarina Pinheiro, coordenadora do ciclo de cinema.

A entrada é gratuita e a exibição começa às 22:00.

No dia 21 de novembro, volta a haver sessão com uma conversa no final, ligada ao tema da literatura no cinema, em que será exibido o filme "Embargo" de António Ferreira.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG