Fevereiro de cinema com o festival "Invicta.Música.Filmes"

A Casa da Música vai abrir portas ao cinema com um festival que durante 19 dias juntará música e imagens, apresentando algumas estreias absolutas e vários filmes italianos, o país tema de 2013.

O festival, batizado a partir do nome dos primeiros estúdios portuenses, os Invicta Film, arranca na quinta-feira com uma estreia mundial, a da música que os berlinenses Jazznova compuseram por encomenda da Casa da Música para o primeiro filme a cores de Michaelangelo Antonioni, "Il Deserto Rosso", que os próprios irão interpretar.

Concertos com a exibição de filmes como este - que decorrerá na sala Suggia - dominam a programação deste ciclo, mas o último, a 26 de fevereiro, merece destaque especial, já que é um espetáculo pela Orquestra de Jazz de Matosinhos, com músicas encomendadas para acompanhar uma série de novas curtas-metragens sobre a vida do porto de Leixões.

Os filmes sobre aquele porto resultam de uma parceria da Câmara de Matosinhos e da Administração dos Portos de Douro e Leixões a propósito dos 100 anos do filme "O Naufrágio do Veronese", um vapor que encalhou junto à praia da Boa Nova com mais de 220 pessoas a bordo, das quais foi possível resgatar cerca de 160.

O filme do salvamento, que na altura foi um sucesso, com centenas de cópias a circular por todo o mundo, receberá agora música de Luís Tinoco.

Vai ser ainda possível ver curtas-metragens dos realizadores João Canijo, Francisco Moura, Sandro Aguilar, Tiago Guedes, Margarida Cardoso e ouvir música original de Carlos Azevedo, Pedro Moreira, Ohad Talmor, Marco Barroso, Pedro Guedes, Zé Eduardo, Bernardo Sassetti, Paulo Perfeito e Mário Laginha.

Para o diretor artístico, António Jorge Pacheco, o objetivo deste novo festival na programação tem como objetivo "acrescentar novas narrativas e, dessa forma, conseguir comunicar melhor com o público da Casa da Música, criando motivos extra de diálogo e de sedução para outros públicos".

Saber se é possível repetir o festival no próximo ano é, segundo António Jorge Pacheco, "a pergunta que vale pelo menos um milhão de euros".

De qualquer forma, "este ciclo é transversal a qualquer país tema. Por isso, a ideia é que fosse uma primeira edição de muitas mais que estarão para vir mas, repito, é uma pergunta cara", acrescentou.

Presente na segunda-feira, na apresentação desta programação, o realizador João Canijo afirmou que a ideia da sua curta "O Cruzeiro" foi "contrapor, quase de uma maneira maniqueísta, o momento supostamente extraordinário da vida de algumas pessoas com a vida normal e quotidiana do porto de Leixões".

Segundo o realizador, cujo filme receberá música de Mário Laginha, "parece que aquele momento é um bocadinho patético".

O programa deste Invicta.Música.Filmes inclui ainda, a 12 de fevereiro, a banda sonora que Nuno Costa e Óscar Graça compuseram para a "A Song Of Two Humans", de Murnau, seguido, a 14 de fevereiro, da exibição de "Ensaio de Orquestra de Frederico Fellini.

A 16 de fevereiro, a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música irá interpretar obras de vários compositores italianos como Nicola Piovani, Nino Rota ou Franco Mannino, para filmes como "O Padrinho" ou "O Leopardo".

De fora fica o conhecido Ennio Morricone porque, como explicou António Jorge Pacheco, "interpretar a música ao vivo do Morricone só é possível com o próprio a dirigir, porque ele não cede os direitos a ninguém".

A orquestra atuará ainda a 22 de fevereiro, num programa denominado "A Música no Cinema de Visconti", e a 24 para interpretar "Sentimento" de Anton Bruckner, num concerto comentado por Rui Pereira.

No dia seguinte, será a vez do Coro da Casa da Música interpretar várias bandas sonoras, entre as quais West Side Story de Leonard Bernstein e, a 19 de fevereiro, a do Remix Ensemble atuar num cine-concerto que, entre outros filmes, inclui a exibição de "Un Chien Andalou" de Luis Buñuel".

O Serviço Educativo cinema de animação também marcará presença, a 23, com um cine-concerto dedicado ao cinema de animação.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG