Rogério Alves: 'Actos não têm carga maléfica e criminosa'

O advogado de António Rodrigues, um dos antigos administradores do BCP acusados dos crimes de manipulação de mercado e falsificação de documentos, defendeu que 'não houve nenhum ato intencional de manipulação'.

'Os actos não têm a carga maléfica e criminosa que lhes querem atribuir', disse aos jornalistas o advogado, à saída do Tribunal de Instrução Criminal (TIC), depois de a juíza responsável pelo processo ter decidido que os antigos dirigentes do BCP Jardim Gonçalves, Filipe Pinhal, Cristopher de Beck e António Rodrigues vão responder em tribunal pelos crimes de manipulação de mercado e falsificação de documentos, tendo caído a acusação de burla qualificada.

Segundo Rogério Alves, a decisão de deixar cair a acusação de burla qualificada 'abre o trilho que vai levar à descoberta da verdade', salientando que, para o Ministério Público, a intenção está provada, mas que, para a defesa, 'a intenção não está demonstrada'.

'As pessoas que estão hoje sentadas como arguidas não tiveram nenhum acto intencional de manipulação', reforçou o advogado, sublinhando que, 'o tribunal, ao pôr de parte o crime de burla qualificada (...) abre um ponto de viragem para uma apreciação realista do que estas pessoas fizeram'.

Os cinco inicialmente acusados pelo Ministério Público estiveram presentes na sessão, tendo ouvido a juíza responsável pelo processo dizer que 'a tese do erro operacional não possui qualquer credibilidade', referindo-se ao principal argumento das defesas.

De fora da lista de acusadas de acusados fica o antigo administrador António Castro Henriques, que foi absolvido de todas as acusações.

Rogério Alves destacou ainda que 'este processo até tem andado com ritmo', dizendo que, em princípio, 'caso não haja recursos', será possível saber até ao final do ano quando é que o julgamento começa.

O advogado manifestou ainda o desejo de que o caso esteja resolvido ainda durante o primeiro semestre do ano que vem.

Conforme a lei em vigor, nesta altura, o Ministério Público será o único que poderá recorrer da decisão da juíza em excluir do julgamento a acusação de burla qualificada.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG