Fábrica de confecções de Viana fecha em Cardielos

Uma fábrica de confecções de Cardielos, Viana do Castelo, fechou hoje portas por alegada falta de encomendas lançando 55 trabalhadores para o desemprego, disse à Lusa fonte sindical.

Segundo Branco Viana, coordenador da União de Sindicatos de Viana do Castelo, este encerramento "deixa muito a desejar do ponto de vista legal", tendo já sido pedida a intervenção da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT).

"Os responsáveis da empresa falam em despedimento colectivo, mas um despedimento colectivo tem regras, não pode ser feito assim, de um dia para o outro. O que aqui está em causa, de facto, é o encerramento da empresa, puro e simples", referiu o sindicalista.

Para Branco Viana, esta situação "pode mesmo pôr a causa o direito dos trabalhadores ao subsídio de desemprego".

Em causa está a Raquetes Confecções, uma fábrica com cinco anos de existência e que chegou a empregar 80 pessoas, um número que entretanto baixou para 55.

Esta fábrica foi fundada por antigos trabalhadores da empresa de confecções Decantconfex, de Santa Marta de Portuzelo, que fechou em 2004.

"Afinal, acabou por durar pouco tempo", lamentou Branco Viana, alertando para uma eventual situação de "falência fraudulenta".

"Fala-se que poderá reabrir em breve, em nome de um familiar dos actuais responsáveis, mas vamos estar atentos, para assegurar o pagamento de todos os direitos dos trabalhadores que agora vão para o desemprego", frisou.

A Lusa tentou ouvir a administração da Raquetes Confecções, mas sem sucesso até ao momento.

Mais Notícias

Outras Notícias GMG