Autores

A nostalgia de um escritor na primeira pessoa por Murakami

ExclusivoEm oito contos, o escritor Haruki Murakami leva o leitor por uma autobiografia ficcionada, escondendo-se por trás - ou revelando-a de forma clara - do seu poder em transformar o pormenor de um passado num universo literário que casa as obsessões de uma vida com as dos seus personagens. O DN revela a pré-publicação de um excerto do livro. Outras novidades: a biografia de Stephen Crane por Paul Auster e o romance Herança de Vigdis Hjorth.

"O livro em papel está condenado e morrerá no século XXI"     

ExclusivoDesta vez, Arturo Pérez-Reverte não vem a Portugal apresentar um dos seus maiores sucessos literários, o romance Sidi - El Cid, O Nascimento de Uma Lenda, devido à pandemia e ao facto de estar a lançar um novo livro, O Italiano. O mais inesperado neste "seu" retrato do herói espanhol El Cid é de o ter escrito à maneira dos velhos westerns de John Ford! Outra sugestão: História e Oficiais da História de António Borges Coelho

"Assistimos a profunda cobardia à conta da pandemia"

O personagem principal do novo romance de Miguel Sousa Tavares recusa ser um "estorvo" só porque é velho. O retrato de um crime social a que se assistiu há poucos meses em Portugal e noutros países, quando as autoridades puseram os idosos fora da lista dos prioritários para a vacinação em nome de uma eutanásia etária. Um personagem que já vivera a Guerra Civil espanhola e estivera nos campos de concentração alemães, tragédias a que sobreviveu.

"Maravilhoso é olhar para onde ninguém olha e ver o que ninguém vê"

A Sangrada Família é um romance que queima as mãos e cega os olhos dos leitores frequentemente. Não é por acaso que tal acontece, nem pelo cenário de que resulta, antes devido à teimosia do escritor em se fixar noutras emoções literárias e assim destacar-se entre os parceiros de uma chamada "nova geração". Outras novidades: reedição de Mrs. Dalloway, entrevistas a Mário Cesariny, a biografia de Carlos Rates.

"Existe ainda hoje no Brasil uma história de demonização de Portugal"

ExclusivoO autor de três livros sobre a história do Brasil acabou de lançar o segundo volume de uma investigação sobre a escravidão enquanto aos leitores portugueses chega o primeiro. Nega que tenha havido um "genocídio negro" no Brasil, mas já aceita que existiu e existe um genocídio cultural e um apagamento da herança africana no país. Garante que "não se vai ver o país sonhado se não se enfrentar a herança da escravidão".